Carnavalesco prepara Festa da Uva em Louveira

A poucos quilômetros de grandescentros urbanos, Louveira quer investir na regionalização eincentivar as tradições locais. A preocupação se reflete em seumais tradicional evento - a Festa da Uva, que se repete,anualmente, desde 1966. Os organizadores da festa, que começa nesta sexta-feira, esperam receber 120 mil visitantes em três finaisde semana, mesmo sem atrações musicais populares. Umcarnavalesco foi contratado para preparar os cenários.A proposta é não desviar a atenção da vedete do evento -a produção agrícola local, que mobiliza 30% da população de 25mil habitantes e responde por 34% da economia da cidade. Louveira abastece com uvas as festas de municípios vizinhos,como Vinhedo e Jundiaí.A proposta de resgate cultural levou os organizadores abuscar na Itália a inspiração para a 36ª Festa da Uva.Responsáveis pela introdução da viticultura na região, ositalianos serão homenageados com a construção de réplicas depontos turísticos da cidade de Veneza.Para erguer cenários que lembram o local, a prefeituraconvocou o carnavalesco da escola de samba paulistana Rosas deOuro, Raul Diniz, que nunca havia trabalhado com cenáriosimóveis. "Estou acostumado com os que andam, com gente emcima", brincou.Réplicas de casarios, da Ponte dos Suspiros, docampanário e do ancoradouro de onde partem gôndolas espalham-sepelo pavilhão de exposição de frutas. Diniz teve um mês para darforma ao projeto e democratizou a criação.Com ele trabalhou com uma equipe de dez pessoas,incluindo carnavalescos da Gaviões da Fiel, da Festa do Boi deParintins e um cenógrafo da carioca Beija-Flor, Eugene Alleyne,que presta serviço para produções da TV Globo. A composição teveainda o apoio de dez jovens da cidade que participam de oficinasculturais. A construção das réplicas das gôndolas utilizaramtécnicas de Parintins, de ferro revestido de espuma.Também foram usados materiais como fibra de vidro emadeira. A água, abundante na cidade, que abriga a nascente doRio Capivari, acabou não entrando no cenário, a contragosto doprefeito José Carlos Karmanghia de Toledo (PMDB).Os famosos canais de Veneza serão reproduzidos emespuma. Mas o prefeito prometeu espalhar aspersores no pavilhãoou acatar a sugestão de Diniz de instalar um grande ventilador,usado pela Rosas de Ouro, que lança água junto com o vento.Atualmente, pelo menos 60% da população de Louveira éformada por descendentes dos colonizadores.Existem na cidade cerca de 10 milhões de pés, queproduzem em média 30 mil toneladas da fruta por ano, três quilospor pé. A última safra foi 30% maior, devido às chuvas do anopassado.A colheita tradicional da uva vai denovembro a fevereiro, o que força as cidades da região apromover festas quase no mesmo período, nos dois primeiros mesesdo ano, depois dos festejos do fim de ano e antes do carnaval.Para fugir da oferta de festas e de uvas, os produtoresde Louveira lançaram mão de uma técnica de poda dupla, quegarante a produção de duas safras por ano, sem interferir naqualidade da fruta. A medida permitiu que o evento fosse marcadopara abril, sem concorrência.Outras novidades da Festa da Uva são o turismo rural e ocolha-e-pague. O visitante pode escolher a fruta para comprardiretamente do pé. Cerca de 40 vans percorrerão 18 das 360propriedades rurais da cidade credenciadas para receberturistas.Também foram montados minisshopping, feira de artesanato, parque de diversões e uma minifazenda. No lugar de medalhões damúsica popular, haverá shows de músicas regional e dançasfolclóricas.De acordo com o prefeito José Carlos KarmanghiaMartins de Toledo (PMDB), foram investidos cerca de R$ 300 milno evento.Ele informou também que um convênio com a SecretariaEstadual de Agricultura de São Paulo vai permitir a construçãode uma uma incubadora agroindustrial na cidade ainda este ano.Aproposta é produzir sucos, doces e bebidas a partir das sobrasda produção da fruticultura local, o chamado descarte.A Festa da Uva começa nesta sexta e segue até dia 21, desexta-feira a domingo, na Área de Lazer dos Trabalhadores, km 72da Via Anhangüera. Ingressos de R$ 1,00 a R$ 3,00.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.