Carro bate em ônibus parado e 1 morre

Motorista, que levava 5 primos, estava levemente alcoolizado

Naiana Oscar, O Estadao de S.Paulo

11 de abril de 2009 | 00h00

Um acidente envolvendo um carro e um ônibus deixou um morto e cinco pessoas feridas, na manhã de ontem, no centro de São Paulo. O Palio com cinco passageiros, além do motorista, perdeu o controle ao sair do Túnel Tom Jobim, que passa sob a Avenida Senador Queiroz, atravessou o canteiro central e bateu na traseira de um ônibus que estava estacionado numa rua paralela. Cerca de 20 pessoas embarcavam no coletivo no momento do acidente. Por pouco elas não foram atingidas.O motorista do Palio, Henrique Figueiredo Miguel, de 22 anos, disse ter perdido o controle do carro na saída do túnel, depois de ter sido fechado por outro veículo. "Vinha devagar, mas não consegui desviar e fiquei desgovernado." Henrique dirigia de chinelo e estava levemente embriagado. O teste do bafômetro acusou 0,13 decigrama de álcool por litro de ar expelido, o que lhe rendeu uma multa de R$ 957,70. Ele também pode ter a carteira nacional de habilitação (CNH) suspensa por um ano. "Bebi um copo de cerveja de manhã, mas não foi isso que causou o acidente", disse. Como o nível de álcool registrado é inferior a 0,34 decigrama, Henrique não foi preso em flagrante. No Palio, estavam cinco primos dele - quatro homens e uma mulher, Sandra Regina Sousa dos Santos, de 26 anos. Ela havia acabado de chegar da Bahia para visitar a família e conhecer a capital paulista. Desembarcou pela manhã na Rodoviária do Tietê, onde os parentes foram buscá-la. Sandra estava sentada no colo dos primos, no banco de trás. Com o impacto, teve ferimentos na testa, mas está fora de perigo. Atrás do banco do carona estava o eletricista Adalberto Alves Miguel, de 24 anos, que morreu na hora. O acidente ocorreu por volta das 10h30, mas o corpo dele só foi retirado do local às 15h30, com a chegada da perícia. O ônibus que foi atingido pelo Palio estava no ponto final da linha, estacionado na Rua D. Francisco Sousa, na Luz. Na hora da batida, o motorista, George Medeiros, de 35 anos, aguardava o embarque dos passageiros do lado de fora do veículo e só ouviu o barulho. Havia 13 pessoas dentro do ônibus, mas ninguém se feriu. "Os passageiros vieram me agradecer por estar parado ali. Se não estivesse, com certeza ia acontecer uma tragédia." Três passageiros do banco de trás do carro ficaram presos nas ferragens e tiveram de ser socorridos pelos bombeiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.