Carro da comitiva de Serra é atingido por tiros

Um carro da comitiva do prefeito José Serra (PSDB) foi atingido por dois tiros nesta segunda-feira a caminho de um evento com o prefeito em Itaquera, na zona leste. Os disparos foram feitos por volta das 14 horas na Radial Leste, na altura da Estação Artur Alvim do metrô, durante uma troca de tiros entre o motorista de um Escort branco e um motoqueiro. Serra seguia para o local de helicóptero e só ficou sabendo do caso quando deixava o evento. Ele fez questão de conferir as marcas de bala no automóvel. Ninguém ficou ferido. Os disparos foram feitos quando o veículo da Prefeitura, um Santana branco, estava parado em um semáforo. O carro tinha cinco ocupantes - todos funcionários do cerimonial da Prefeitura, entre eles um inspetor e um guarda da Guarda Civil Metropolitana, que andam à paisana e desarmados. Eles seguiam para organizar a vistoria do prefeito às obras de um túnel que ligará a velha Radial Leste ao novo trecho da avenida, que vai até Guaianases. Um dos tiros atingiu o teto do veículo; o outro pegou, de raspão, no pára-choque dianteiro. Segundo os funcionários da Prefeitura, o tiroteio não durou mais de dez segundos. Quando o primeiro disparo atingiu o carro, assustados, todos se abaixaram. O que eles conseguiram ver, contou o chefe de cerimonial Guilherme Coelho, foi que um Escort branco que vinha do outro lado da Radial - sentido bairro-centro - atravessou a avenida num cruzamento e parou, bloqueando a passagem dos carros que esperavam a abertura do sinal. "Um homem desceu do Escort e começou a atirar na nossa direção contra um motoqueiro que vinha atrás da gente", disse Coelho. "Nessa hora, a gente se abaixou. Só deu pra ver que tinha um cara agachado na lateral do nosso carro atirando contra a moto, que estava do outro lado." O carro foi usado como "escudo" pelo homem do Escort. Segundo Coelho, a moto, com duas pessoas, passou por entre os carros, atravessou o cruzamento e saiu em fuga pela Radial. O troca de tiros parou e o Escort também foi embora. Em seguida, duas motocicletas da Polícia Militar apareceram, conferiram se havia feridos e liberaram o trânsito. Em nota oficial, a Prefeitura informou que o Escort era ocupado por policiais civis, o que não estava confirmado até à noite. Por volta das 21 horas, a Prefeitura decidiu que iria registrar um boletim de ocorrência sobre o incidente. A Polícia Civil informou desconhecer qualquer diligência de policiais na região que teria resultado em tiroteio no meio do trânsito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.