Carros com cinto de 2 pontos não precisam colocar assento de elevação

Exclusão se dá devido à inexistência de cadeirinhas certificadas pelo Inmetro para transporte de crianças entre 4 e 7 anos; lei entra em vigor nesta quarta

Solange Spigliatti, estadão.com.br

31 de agosto de 2010 | 14h11

SÃO PAULO - A nova lei de transporte de crianças com dispositivos de segurança, na faixa etária dos 4 aos 7 anos e meio não vai se aplicar, aos veículos que possuem apenas cintos de segurança com só dois pontos, a maioria fabricada até 1998. A orientação é que não sejam aplicadas multas nesses casos, segundo o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

 

Veja também:

linkMultas por falta de cadeirinha para crianças começam na quarta

especialTire suas dúvidas sobre as cadeirinhas infantis em veículos

 

De acordo com o órgão, esses veículos de passeio não serão obrigados a colocar o assento de elevação para transportes de crianças com idade entre 4 e 7 anos, conforme lei que entra em vigor amanhã em todo o país. As crianças deverão ser transportadas apenas com o cinto de segurança de dois pontos, colocado na região abdominal, segundo orientação do Denatran.

 

A exclusão se dá devido à inexistência, hoje em dia, de produtos certificados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) deste tipo de dispositivo de segurança para o transporte das crianças nessas idades, segundo confirmação do Inmetro.

 

Lei. Em 1998, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) determinou que veículos produzidos a partir de 1 de janeiro de 1999 deveriam ter cinto de três pontos nos assentos dianteiros e nos assentos traseiros laterais, por conta da falta de segurança proporcionada pelos cintos de dois pontos.

 

De acordo com o Denatran, na época em que a Resolução 277, que trata do transporte de crianças, foi elaborada, em maio de 2008, e publicada em junho de 2008, quando começou o prazo para adaptação dos usuários, esses equipamentos para uso em cinto abdominal ainda estavam disponíveis no mercado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.