Carros da Mancha pegam fogo, mas escola é campeã antecipada

A torcida da escola de samba Mancha Verde não sabe se chora ou se ri. Nesta terça, a agremiação perdeu dois carros alegóricos em um incêndio na concentração do sambódromo e, ao mesmo tempo, foi praticamente declarada campeã do novo grupo do qual faz parte: o de Escolas de Samba Esportivas. A conquista do título antecipado ocorreu depois que o juiz Luís Mário Galbetti, da 33ª Vara Cível, decidiu que a escola corintiana Gaviões da Fiel pode concorrer no Grupo Especial, deixando a Mancha sozinha na nova categoria. Se a decisão que beneficia a Gaviões for descumprida, a Liga Independente das Escolas de Samba deverá pagar uma multa de R$ 50 mil. "Vamos cumprir a ordem. Ano que vem vamos pensar como iremos administrar isso. Até onde sei, a decisão só favorece a Gaviões", disse o presidente da Liga, Alexandre Marcelino Ferreira. O despacho não muda a ordem dos desfiles. A Gaviões continua abrindo o carnaval, na sexta-feira, e a Mancha fecha a noite de sábado. A escola dos palmeirenses não concorre ao título do Grupo Especial e, portanto, não pode ser rebaixada para o Grupo de Acesso. "Somos campeões de qualquer maneira. Não vamos entrar na Justiça. Nossa maior preocupação agora é refazer os carros", disse o presidente da Mancha, Paulo Serdan. Os carros pegaram fogo ao meio-dia desta terça, depois que o soldador, que dava os últimos retoques, errou a mão. "Foi um pingo de solda malfeito mesmo. Ainda não sabemos o tamanho do prejuízo", lamentou Serdan. "O que mais queremos agora é conseguir entrar com todos os carros enfeitados. Espero que dê tempo", disse o diretor de Carnaval da Mancha, Paolo Bianchi. Na Gaviões, o clima era de comemoração. Para o advogado da escola, Gilberto Jabur, as decisões anteriores da Liga, que definiram a exclusão da escola do grupo de elite, não tiveram fundamento. "Tudo foi feito com base em um regulamento que só vigorou até o carnaval do ano passado. A Liga recebeu um puxão de orelha", disse. Entre os motivos citados no despacho favorável à Gaviões está que o afastamento do Grupo Especial não diminuiria o risco de brigas entre as torcidas organizadas. Para o juiz, a "suposta tentativa de conter a possibilidade de violência entre torcidas rivais (...) somente alimentaria, isto sim, eventual processo nesse sentido, com a criação do Grupo Especial Esportivo". O juiz considerou que não faria sentido afastar o símbolo do Corinthians da Gaviões. "Seria o mesmo que abolir a coroa que simboliza a Império da Casa Verde ou a letra X e o algarismo 9 da X-9 Paulistana."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.