Cartas

Carta 19.358Mais falta de iluminaçãoMoro na Rua Juvêncio de Araújo Figueiredo, Perus. No início de outubro (carta de 12/11), após um temporal, a rua e uma paralela ficaram às escuras pelo menos em dois quarteirões. Todos os postes estão apagados. Como trabalho parte da semana em casa, à noite, vejo pessoas estranhas aproveitando a escuridão para fumar maconha. Outro dia desconfiei de um homem que estava perto do muro da casa de minha irmã, e quando abri a janela, às 3 horas, ele alegou que queria dinheiro para o ônibus, porque fora assaltado. Quando disse que ia chamar polícia, ele saiu na direção contrária à do ponto de ônibus. Já fiz várias queixas no portal da Prefeitura, e disseram que enviariam a queixa à empresa. Minha irmã ficou 40 minutos à espera, e quando faltavam só duas pessoas para ela ser atendida, segundo a gravação, a linha caiu. Nem é preciso lembrar quanto isso é indecente, pois agora a conta do telefone é por minuto. A Prefeitura multa quem não respeita a Lei Cidade Limpa, mas não quem estaciona diante da nossa garagem ou desrespeita o sinal da Av. Dr. Sílvio de Campos. Cansei de reclamar, mas a CET não fiscaliza. Além de termos direitos básicos desrespeitados pelo descaso das autoridades às quais pagamos impostos, ainda temos de agüentar dois quarteirões sem iluminação há mais de 45 dias.FERNANDO BERTACCHINIPerusA Secr. Serviços responde:"Em 28/11, uma equipe de manutenção do Ilume esteve no local, instalou cerca de 60 metros de cabo, e assim normalizou a situação da rua."Carta 19.359Contas e reparos A Resolução 456 da Aneel é muito perigosa, pois um dos seus artigos permite que as concessionárias façam a aferição das tarifas trimestralmente, o que abre um precedente que permite às empresas obter vantagens imediatas a título de créditos posteriores - em geral esquecidos, principalmente o ICMS. Temos, minha mulher e eu, uma pequena chácara de lazer em Nazaré Paulista, perto de São Paulo, onde não usamos energia elétrica desde as férias de julho, mas todos os meses recebemos contas com consumo superior a 90 kW, energia não usada. Se contatamos a concessionária, os funcionários alegam que a empresa está amparada pela nefasta Resolução e que só tem a obrigação de nos informar, não de nos convencer. Eles argumentam que, para ter um controle eficaz do faturamento, temos de contatá-los e fornecer a aferição da medição eletrônica. Ora, não somos empregados da Aneel e muito menos da Elektro! Se não podemos ir ao local mensalmente, também não temos como ?prestigiá-los? com esse tipo de informação. Essa concessionária, que pertence à Enron americana (e deu um enorme prejuízo aos acionistas nos EUA), agora inferniza a vida da gente e usurpa as nossas parcas economias. ALOÍSIO SANTOSTatuapéA Elektro responde:"Por atuar em um mercado regulado (distribuição de energia elétrica), temos o dever de seguir as determinações legais da Aneel. Apesar disso, fizemos um levantamento para averiguar alguma distorção no faturamento das contas de energia elétrica do cliente. E a análise de consumo de energia da casa citada mostrou que as contas estão sendo faturadas corretamente, de acordo com a Resolução 456, que prevê a leitura trimestral do medidor de energia elétrica em casas localizadas na área rural - como é o caso da unidade mencionada -, e a cobrança das contas de energia dos demais meses conforme a média. Outra opção, como foi informado ao cliente, é ele fazer a leitura e passar as informações por meio do tel. (0800) 701-0102. A Elektro Eletricidade e Serviços S/A é controlada pela AEI, empresa que tem gestão ativa em um portfólio internacional, operando empresas do setor de energia em países emergentes." Sou moradora do bairro de Mirandópolis, e já faz um mês (carta de 26/10) que vários postes permanecem acesos o dia todo nas Ruas dos Miosótis e Pirituba e na Avenida Itacira. Contatei o Ilume, e me deram um prazo de quatro dias para verificar o problema. Quatro dias depois, como ninguém viesse, liguei novamente e deram um prazo de mais quatro dias. É um completo descaso!RITA IDEMirandópolisA Secret. de Serviços responde:"No dia 29/11, uma equipe de manutenção do Departamento de Iluminação Pública (Ilume) foi aos locais citados e substituiu dois relés, normalizando a situação de todas as ruas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.