Cartas

Carta 19.706Pedido de resgate por telefoneDepois que vários ramais da empresa em que trabalho receberam, hoje (carta do dia 15/5), um trote de pedido de resgate, conseguimos identificar o número da chamada. Para nos certificarmos da origem, tivemos o cuidado de ligar de volta e percebemos que do outro lado da linha estava um bandido, dentro de uma cela, falando de um local com prefixo 21. Diante disso, entramos em contato com o 190 da PM, que disse nada poder fazer e nos disse para ligar para a Polícia Civil, no 197. Nada feito, pois lá também disseram que não era com eles e sugeriram telefonar para o Disque Denúncia 181. O que também de nada adiantou, pois o atendente voltou a passar a responsabilidade para a Polícia Civil. Ninguém fez nada diante de uma denúncia concreta; nenhuma autoridade se interessou por ao menos anotar o celular do bandido para verificar a informação. É, estamos perdidos.GILBERTO DE ALMEIDAMorumbiA PM responde:"De fato, a orientação que deveria ser dada ao reclamante era que comparecesse a um DP para registrar o fato e possibilitar sua apuração. O deslocamento de uma viatura não seria razoável, uma vez que o próprio leitor disse que a origem do crime era em outro Estado, partindo de um indivíduo preso; portanto, não havia ação de emergência a ser adotada pela PM para impedir ou reprimir a tentativa do crime enunciado. A reclamação foi enviada ao Copom-190, órgão da PM responsável pelos atendimentos de emergência, para aperfeiçoar o nosso atendimento."Carta 19.707Programa Pró-CotistaEm fevereiro, o governo lançou, pela Caixa Econômica Federal, novas condições para financiamento da casa própria para a classe média. O Programa Pró-Cotista usa recursos do FGTS, com condições e juros diferenciados. Em março, após iniciar o processo de avaliação do imóvel, análise e aprovação do crédito, preenchemos todos dos muitos pré-requisitos, mas fomos informados de que o banco está sem recursos do FGTS para atender a modalidade. A explicação das agências da Caixa é que a procura foi grande e, mesmo sendo elegíveis, temos de pagar juros maiores. Os da Carta de Crédito SBPE são mais que 1,5% ao ano e a amortização é menor, fora impostos e taxas. Que recursos são esses que acabaram em dois meses? O pior é a propaganda enganosa para uma classe da população que é a que mais paga impostos no Brasil. Enviamos e-mails para a Ouvidoria da Caixa, secretarias da Habitação e do Planejamento e Orçamentos e até para a Casa Civil, todos não respondidos. Parece que estamos tratando com um banco privado. Ou talvez a Caixa não queira dispor recursos do FGTS a juros baixos para a classe média para poder ?vender? empréstimos com juros maiores, como muitos bancos privados (fizemos simulações com o Itaú, Unibanco e Bradesco), que dão valores muito semelhantes. Em todas as agências da Caixa que procuramos, informaram que é impossível obter empréstimos no Pró-Cotista, mesmo a simulação estando disponível no site. Ainda há alguma agência, em São Paulo, que tenha essa verba, para obtermos o financiamento de nossa casa? O crédito já está aprovado e já passamos por todo o processo burocrático.MEIRE e MÁRCIO PORTELLACapitalA Caixa responde:"Houve grande procura pelos recursos da linha de financiamento denominada Pró-Cotista, que, por essa razão, se esgotaram antes do final do ano. Até o momento não há previsão de suplementação orçamentária para esse programa. O Pró-Cotista é um programa criado pelo Conselho Curador do FGTS, e a liberação de novos recursos só poderá ser decidida por esse Conselho. Esse programa se refere a uma ação pontual, não se caracterizando, portanto, como uma linha de crédito permanente. Salvo alterações por parte do Conselho Curador do FGTS, o referido programa se extinguirá juntamente com o esgotamento do orçamento a ele aportado para o corrente ano. Pedimos desculpas pelos eventuais transtornos e continuamos à disposição para mais esclarecimentos." A Prefeitura atendeu o pedido de conserto da sarjeta da Praça Cap. Mateus de Andrada, no Alto de Pinheiros, que acumulava água e propiciava a proliferação de pernilongos (temos três casos de dengue nas imediações). Também desobstruiu o bueiro da Rua Guilherme Moura, alt. do n.º 342. Quando a Prefeitura cumpre as suas obrigações, devemos também elogiá-la.WALTER J. TONIOLOCapital

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.