Cartas

Cidade mais limpa Noto que, em várias ruas e avenidas, as paredes de casas, edifícios, galpões,etc., estão com as paredes pichadas por vândalos, que fazem isso, imagino, sem saber a conseqüência e os prejuízos. Eles fazem imagens horríveis e tentam expor a facção à qual pertencem. A Prefeitura, que na minha opinião limpou a cidade de placas e propagandas exageradas, deixando-a com um visual mais limpo e claro, deveria criar uma lei para punir esses pichadores. Proponho que, a partir do flagrante ou da identificação do pichador, que ele seja detido por 24 horas e tenha a obrigação, por meio de um tipo de condicional, de limpar o que sujou e reembolsar o proprietário pelos danos causados. Acredito que, somente com uma punição, as pichações na cidade podem diminuir. Espero que o prefeito se comprometa com isso. JÚLIO TADEU VIEIRA São Paulo O secretário das Subprefeituras, Andrea Matarazzo, responde: Essa também é uma preocupação da Prefeitura, que se tem empenhado na manutenção dos espaços públicos e mantém um serviço de pintura antipichação para pintar bases de pontes, viadutos e muros de áreas públicas que sofrem com esse tipo de vandalismo. A idéia do leitor é muito boa, mas a Prefeitura não pode adotá-la, porque a pichação é crime e só a polícia pode fazer o flagrante. Esse crime pode acarretar de 1 a 6 meses de detenção, no caso de imóveis particulares, e até 3 anos de prisão, quando se trata de patrimônio público. Ambulantes Em primeiro lugar gostaria de cumprimentar o sr. Gilberto Kassab, pela vitória na eleição para a Prefeitura. Outro dia, assistindo a um jornal na TV, vi-o em campanha dizendo que sua administração não admitia camelôs vendendo CDs e DVDs contrabandeados nem corrupção na fiscalização. Com o objetivo de ajudá-lo, senhor prefeito, informo-lhe que a Rua Joaquim Floriano, no Itaim Bibi, na qual passo todos os dias, como morador do bairro, está a cada dia mais infestada de camelôs, vendendo de tudo o que possa ser embrulhado. Agora que o senhor se reelegeu, que tal fazer valer sua afirmativa? P.A. São Paulo Reclamo da falta de ação da Subprefeitura de Pinheiros em relação aos ambulantes na Avenida Brigadeiro Faria Lima. Em frente ao número 1.826 há um ponto de ônibus e a seu lado, um pipoqueiro, um vendedor de artigos para celular, uma vendedora de roupas femininas e um vendedor de tapioca pela manhã. A calçada é estreita e os pedestres têm dificuldades para caminhar. Não tive solução pelo 156 e pelo site da Prefeitura. A região entre a Avenida Rebouças e o Shopping Center Iguatemi também não recebe nenhuma fiscalização, ao contrário do Largo da Batata ou do centro da cidade. Fiz a mesma queixa no ano passado e responderam que só são permitidos os ambulantes que tiverem Termo de Permissão de Uso (TPU), o que não é o caso. Nada mudou. J.L. São Paulo O subprefeito de Pinheiros, Nilton Nachle, informa: As ações de combate aos ambulantes ilegais na região de Pinheiros são diárias. Na primeira quinzena de outubro, foram realizadas oito ações na Faria Lima, com apreensão de diversos produtos. Os ambulantes irregulares, no entanto, estão cada vez mais organizados e usam até rádios. Quando os carros da Prefeitura aparecem, os ambulantes de quarteirões vizinhos são avisados, recolhem seus pertences e se escondem dentro de imóveis de pessoas que lhes dão cobertura. Bicicleta não tem vez Muitos freqüentadores do Horto Florestal, como eu, costumam ir ao parque de bicicleta para praticar esportes ou fazer caminhadas. Contávamos até este final de semana com um bicicletário, próximo ao portão de entrada e em frente da cabine dos guardas, o que aumentava a segurança. Mas tive a desagradável surpresa de descobrir que o bicicletário agora está para fora dos portões do Horto. Acho um absurdo, pois isso expõe as bicicletas ao vandalismo e roubo, por mais que se use corrente e cadeado. O bicicletário não atrapalhava em nada. Sempre houve a orientação de empurrar as bicicletas do portão do parque ao bicicletário, pois é proibido pedalar no parque, com justa razão, para evitar acidentes. Numa cidade como a nossa, onde o uso de bicicletas deveria ser incentivado, e não desencorajado, essa medida é absurda. Deixo aqui meu protesto! MARIANGELA SCHIAVETTI NASCIMENTO São Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.