Cartas

Extravio de bagagem A Air France perdeu minha mala com equipamentos de iluminação, no vôo Délhi-Paris com conexão Paris-São Paulo, em 30/9. Em São Paulo, disseram que em 24 horas resolveriam o problema. Mas só recebo informações contraditórias. A empresa não lançou no sistema geral da companhia a descrição da mala e enviou carta oferecendo os serviços de assistência para extravio de bagagem da Travel Ace Assistance. J. R. DURAN São Paulo A Air France informa que, apesar das buscas intensivas, a bagagem não pôde, até o momento, ser localizada e que continua se empenhando para encontrá-la. A carta recebida é uma comunicação enviada a todos os associados Flying Blue Brasil, para divulgar a parceria estabelecida com a empresa e não há associação alguma com o incidente. ALEXANDRE FIGUEIREDO, responsável pelo Atendimento ao Cliente O leitor comenta que a reposta é padrão e que demoraram quase duas semanas para colocar os dados da mala no sistema. SEUS DIREITOS: A companhia aérea deve o prejuízo correspondente ao valor dos objetos perdidos. Se não há uma relação dos pertences, o valor da perda pode ser estabelecido por meio de provas indiretas, considerando o que, pela experiência comum, um passageiro como o leitor carrega e levando em conta até sua formação e atuação profissional. O valor da indenização deve ter como critério o valor real da perda e não o critério estabelecido em convenção internacional. Conforme o grau de transtornos e mau atendimento dispensado à vítima, também cabe indenização por dano moral. JOSUÉ RIOS, advogado e colunista do Jornal da Tarde Descaso da NET A NET me enviou uma correspondência informando a necessidade de troca dos decodificadores analógicos cadastrados por digitais. As visitas técnicas podem ser feitas no período da manhã, à tarde ou à noite, sem horário definido. Por isso, é preciso haver alguém para recebê-los a qualquer hora, o que é difícil para quem trabalha. Primeiro, marquei a visita para 10/9, no período das 8 às 12 horas. Os técnicos chegaram depois do meio-dia, quando eu já estava de saída. Eles não tinham muita certeza de que tipo de serviço deveria ser feito e pareciam despreparados. Marquei nova visita para 13/10, entre às 13 e 18 horas. Informei a atendente, como já fizera na primeira vez, que o serviço deveria estar terminado no horário limite. A visita foi confirmada às 13h30 e disseram que os técnicos estavam a caminho. Às 16 horas liguei reclamando do atraso e responderam, de novo, que os técnicos estavam a caminho. Às 18h17, o técnico chegou.Reclamei da demora e ele me disse que o serviço tinha sido passado a ele há pouco tempo. Ele não poderia fazer mais o trabalho naquele horário e, quando quis marcar pelo telefone uma visita para o período noturno, a atendente disse que não poderia fazê-lo porque esse cabeamento não pode ser feito à noite . MÔNICA TELLES DE MENESES São Paulo A NET esclarece que, durante contato mantido com a sra. Mônica, no dia 21/10, agendou a visita técnica de acordo com a conveniência da cliente. A leitora comenta: Marcaram a visita para 27/10, às 11 horas, mas não cumpriram o que prometeram. Expliquei que não estaria em casa antes das 11 horas. Porém os técnicos estiveram em casa por volta das 10 horas e, naturalmente, não encontraram ninguém. Pretendo suspender o serviço. Saúde em risco Em Limeira, no bairro Belinha Ometto, há uma empresa instalada há 35 anos que explora uma pedreira local, promovendo grandes explosões todos os dias às 17 horas. O problema maior é que a empresa tem uma moagem de pedra de calcário há 50 metros das casas, que levanta uma enorme quantidade de poeira. Ela fica suspensa no ar e afeta a saúde da população local, sem que as autoridades locais façam algo para coibi-la. F. A.S. Limeira A Prefeitura de Limeira informa que a situação da empresa está regularizada na prefeitura. De acordo com o Setor Empresa Fácil da Secretaria de Governo e Desenvolvimento, o alvará está em ordem e a empresa atua na cidade desde 1953. A verificação da situação da empresa é feita por meio do recadastramento, realizado todo ano. Com relação à poeira que prejudica a saúde dos moradores do bairro Belinha Ometto, a reclamação deve ser encaminhada para a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), que é responsável pela verificação da qualidade do ar. LIANDRA SANTAROSA, da Assessoria Geral de Comunicações

O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.