Cartas

Envio expresso?Estou com problema com a DHL (serviço expresso de envios). Abri um processo para tirar visto para moradia na Alemanha, algo demorado e minucioso. No final de outubro, meu visto foi para decisão oficial e, como sou divorciada, me pediram duas declarações públicas sobre meu divórcio, com tradução juramentada, legalizadas pelo Consulado alemão. Corri para providenciar esses documentos, que custaram cerca de R$ 1 mil. Solicitei o envio pela DHL da Faria Lima no dia 27/10. Indicaram-me o envio pelo Worldwide Express, com prazo de três dias úteis para a entrega. A DHL tem um serviço de acompanhamento dos envios em seu site. No dia seguinte, vi que não havia nada. Entrei em contato com a empresa e o atendente falou para eu esperar o prazo de três dias. No terceiro dia, sem nenhuma informação, solicitei a abertura de um processo de rastreamento. Aguardei por quatro horas e entrei em contato com a empresa, mas nada fora resolvido. À noite pediram para que eu esperasse até as 11h30 do dia seguinte, e assim por diante. Informaram-me que um funcionário rastrearia o caso e entraria em contato. Mas não fui contactada nenhuma vez. Corro o risco de perder o visto neste ano, o que me causaria grandes prejuízos. Eu soube que, no caso da confirmação do extravio, só o frete seria ressarcido (R$ 82). Mas meu prejuízo já chegou a mais de R$ 3 mil. Em momento algum foi mencionada a opção de seguro dos documentos. Jamais utilizarei os serviços dessa empresa novamente.MARISA COSTASanto AndréA DHL Express Brasil disse que o problema foi solucionado.Obras incompletas Em 6/10, escrevi à Coluna para informar que, após três semanas de a Rua Voluntários da Pátria - em Santana, entre a Rua Francisca Júlia e a Avenida Santa Inês - ter sido recapeada, não foi pintada nenhuma faixa ou sinalização em quase dois quilômetros de um trecho com 12 semáforos e com dois hospitais e uma escola. Depois de minha queixa, pintaram algumas faixas de segurança para travessia de pedestres, mas não em todos os pontos necessários. Também não houve pintura da faixa dupla amarela, separando os sentidos de direção da rua. Entendo que o recapeamento é uma melhoria, porém se bem planejado e executado. A rua foi recapeada em setembro e, no início de novembro, ainda não havia sido sinalizada adequadamente.Andando pelas avenidas da zona norte vejo a mesma situação. A Avenida Nova Cantareira é um exemplo. A Prefeitura planeja uma obra, mas só a faz pela metade. Na minha opinião, trata-se de total descaso dos órgãos públicos e falta de respeito com os cidadãos.MÁRIO AUGUSTO FONSECASão PauloA Coluna encaminhou a carta à CET, mas a empresa não se manifestou.O caso da crecheEm resposta à carta do sr. Alexandre Mendes Pinheiro, publicada nesta Coluna em 6/11 (E as vagas nas creches?), a Diretoria Regional de Educação do Butantã esclarece que foram passadas ao munícipe, por telefone, todas as informações necessárias à matrícula de seu filho na rede municipal de ensino. Os procedimentos obedecem à Portaria de Matrícula n.º 4.448, que determina que as crianças sejam chamadas para matrícula em ordem decrescente, ou seja, do mais velho para o mais novo. O filho do munícipe será chamado para freqüentar o 2.º estágio na Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Professor Ronaldo Porto Macedo no ano que vem.AVELINO ALVES, da Assessoria de Comunicação e ImprensaPrezado sr. Alexandre, pela Lei 11.700/2008, seu filho tem direito à vaga na escola mais próxima de sua casa. Sei que os dirigentes vão encontrar argumentos contrários, mas você tem direito e deve lutar por ele. Procure o Ministério Público. Escreva para nós, se tiver qualquer problema. SENADOR CRISTOVAM BUARQUE (PDT-DF)O leitor comenta as manifestações: Agradeço o interesse e a atenção demonstrados. Mas, se eu for esperar por uma decisão da Justiça, é capaz de meu filho já estar formado e lutando pelos direitos de meus netos, quando a decisão sair. As leis brasileiras são muito bonitas no papel, mas, na prática, não valem nada. Quando é para defender os interesses de algum membro distinto da sociedade, mostra-se o rigor da lei. Já para o restante do povo... Somos iguais só naquele papel chamado Constituição. Mas ela também já perdeu a credibilidade depois de tanto descaso.ALEXANDRE MENDES PINHEIROSão Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.