Cartas

Carta 18.992Tudo novo na nossa avenidaNo final de junho (carta de 3/7) um carro arrancou uma árvore no cruzamento da Brig. Luís Antônio com a Al. Santos. A árvore e o que restou dos gradis de proteção estão no mesmo local, impedindo a circulação de pedestres. Isso ao lado do antigo prédio da reitoria da Unesp e a 30 m da Paulista. É vergonhosa a omissão da Prefeitura. Aliás, é vergonhoso o estado da avenida,outrora símbolo do orgulho paulistano, com calçadas esburacadas, lixo e desocupados importunando a vida dos paulistanos que por ali circulam. FABIANO MARQUES DE PAULA Jardim PaulistaA Prefeitura responde:"Recolhemos os resquícios da árvore e do protetor, juntamente com um monte de entulho clandestino depositado no local, no início de julho. Quanto à conservação da avenida, a Prefeitura fez licitação para revitalização, com obras iniciadas no final de julho. Os canteiros serão reformados e as calçadas substituídas; melhoraremos a sinalização e implantaremos um novo projeto de acessibilidade."ANDREA MATARAZZOSecretário das Subprefeituras Para sua informação:A Prefeitura informa que a poda de árvores é normalmente feita pelas subs entre os meses de abril e agosto. Mas se os galhos estão encostados em fios da rede elétrica ou prejudicando a sinalização de trânsito, o munícipe deve contatar a subprefeitura do bairro e, em casos de emergência, comunicar ao Corpo de Bombeiros pelo 193. Poda em terrenos privados precisam de autorização (mais informações no site da Prefeitura).Carta 18.993Lei do silêncioMinha queixa é para a Sub Santana, para onde escrevi várias vezes, sem resposta. Moro na Rua Nabuco de Araújo, travessa da Eng. Caetano Álvares, onde há bares que, desrespeitando a lei do silêncio, não fecham à 1 hora. Apesar de informar no cardápio que o atendimento só vai até essa hora, isso é mera formalidade, para atender uma lei que não cumprem na prática.Para constatar o que digo, basta vir ao local às quintas, sextas, sábados e domingos. Peço ainda que fiscalizem as mesas nas calçadas, que impedem a passagem. SÍLVIA PETRI Jardim do ColégioA Prefeitura responde:"Trabalhamos intensamente para que os estabelecimentos respeitem as leis. Para isso, a ajuda da população é fundamental, como é o caso. Determinei que o PSIU e a Sub Santana façam uma vistoria conjunta na região, a fim de verificar o cumprimento ou não da lei por parte desses bares. A fiscalização deve ocorrer nos próximos dias (resposta de 27/7)." ANDREA MATARAZZOSecretário das Subprefeituras Carta 18.994Ruído de casa noturnaSou síndico de um prédio vizinho à casa noturna Ballaios Esporte, Música e Tradição, na Rua das Rosas, Mirandópolis - bairro residencial. Nada tenho contra a atividade em si, se não fosse o verdadeiro ?balaio? e desrespeito aos moradores do entorno, devido ao barulho produzido pelo batuque de pandeiro, surdo e música cantada ao vivo até altas horas da madrugada. Em fev/06, com um abaixo-assinado (55 assinaturas) dos moradores, protocolamos pedido de fiscalização na Sub V. Mariana. Os moradores fizeram queixa também pelo 156. Não sei se a fiscalização foi feita, mas o barulho continua. E, além do barulho dentro do bar, muitos freqüentadores, bêbados, fazem a maior algazarra; é gritaria, brigas, buzinas, carros e motos acelerando. Carros param nas guias rebaixadas, impedindo a entrada e saída de moradores, e as motos estacionam na calçada. Não conseguimos descansar. Em novembro, protocolamos nova queixa no PSIU, em um abaixo-assinado com 56 nomes, mas de nada adiantou. O incômodo continua, principalmente às quartas e sextas-feiras e aos sábados, quando o movimento aumenta. OZÓRIO MASSURAMirandópolisA Prefeitura responde:"O PSIU já fez diversas fiscalizações no local (a última ocorreu no dia 5/7), e em todas o ruído constatado estava dentro do permitido, pois o local tem isolamento acústico. O que pode ocorrer é um vazamento acústico, por alguma porta ou janela. Para descobrir o problema, o órgão propõe que a medição seja feita na casa do reclamante (no caso, o síndico do edifício). Para isso, contudo, precisamos da sua autorização, que pode ser dada pelo telefone 156 ou pelo e-mail psiu@prefeitura.sp.gov.br."ANDREA MATARAZZO Secretário das Subprefeituras

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.