Cartas

Não insista porque não queroA NET me telefonou várias vezes por dia durante um mês inteiro oferecendo-me seus serviços. No dia 18 de dezembro, recebi cinco telefonemas que foram registrados no detector de chamadas de meu telefone. Na última ligação, expliquei o que estava acontecendo para a atendente que ficou zangada e desligou o telefone na minha cara. No dia 12 de dezembro, a gerente de relacionamento, cujo nome não anotei porque estava no carro, se comprometeu a retirar meus contatos do cadastro da empresa. Mas nada foi feito. Não entendo qual é o propósito dessa empresa, se já disse que não quero ser cliente deles.VIRGINIA ANDRADE BOCK SIONSão PauloFernanda Piccablotto, da Gestão de Clientes da NET São Paulo, esclarece que tomou providências para solucionar a questão.Informe-se:O governo do Estado de São Paulo criou um cadastro para bloquear chamadas de telemarketing. Quem quiser aderir terá de pedir a inclusão da linha telefônica na lista do Procon-SP. A Lei 13.226/08 entrará efetivamente em vigor no início de 2009. Mas, por razões de ordem jurídica, alguns artigos serão reescritos. A inscrição do número da linha de telefone, móvel ou fixa, será feita só pelo titular da assinatura. Para isso ele deverá acessar o site do Procon www.procon.sp.gov.br ou ir pessoalmente a um dos postos de atendimento. Após 30 dias, os fornecedores e as empresas ficam proibidos de fazer ligações para os inscritos, salvo se comprovarem a existência de prévia autorização do titular. Não existirá prazo-limite para entrar no cadastro e o usuário poderá pedir o desligamento quando quiser. Fonte: Procon-SPFraude em multas?Tenho 74 anos e trabalho como vendedor autônomo numa gráfica em São Paulo. Há dois anos recebi diversas multas que não eram minhas e tive a Carteira de Nacional de Habilitação (CNH) suspensa por 90 dias. Mas, antes de completar esses três meses, chegou outra multa em meu nome com minha assinatura falsificada. Estou há mais de um ano sem CNH. Desde então luto para conseguir tê-la de volta.WILSON MARCOS DIANSão PauloA Assessoria de Imprensa do Departamento de Trânsito (Detran) responde que o órgão decidiu fazer uma investigação sobre o caso. Policiais do setor de pontuação analisaram uma pilha de documentos dos processos administrativos do leitor por dois dias. Eles concluíram, preliminarmente, que o sr. Dian nunca esteve pessoalmente nesse departamento e que, em junho de 2007, o condutor apresentou sua defesa por um representante munido de procuração. A alegação era de que não fora notificado das infrações para que pudesse fazer as indicações dos condutores. O órgão informa que lhe aplicou uma pena de três meses de suspensão do direito de dirigir e, à época, a CNH do sr. Dian foi apreendida. Depois, com a apresentação do certificado do curso de reciclagem e cumprida a pena, a CNH foi restituída. Em dezembro de 2007, quando o leitor foi renovar a CNH, o Detran verificou que o condutor ultrapassara o limite de pontos e havia mais três infrações cometidas no período em que seu direito de dirigir estava suspenso, o que provocou a instauração de procedimento administrativo de cassação da CNH e a abertura de prazo para a defesa. O Detran diz que o representante legal do condutor apresentou a defesa, mas em nenhum momento foi por ele alegada a indevida pontuação, portanto a CNH do sr. Dian foi cassada e ele, notificado. De acordo com o órgão, foi protocolado recurso da decisão de cassação ante a Junta Administrativa de Recursos de infração (Jari), que manteve a decisão. Em outubro deste ano, o reclamante constituiu outro advogado que protocolou recurso da decisão ao Conselho Estadual de Trânsito (Cetran). Segundo o Detran, em 21 de outubro, a CNH do sr. Dian foi encaminhada ao setor competente do departamento, porque foi apreendida pela PM numa blitz de trânsito, quando o condutor foi surpreendido conduzindo um veículo de propriedade de uma gráfica com sua CNH vencida. CongestionamentosEm estudo recente, a Subprefeitura de Pinheiros alertou quanto ao risco de saturação de tráfego nos bairros nobres da cidade, a continuar o ritmo insustentável de aprovações de novos empreendimentos residenciais e comerciais (18/12, C6). Não obstante, o principal responsável por essa situação, o ex-secretário da Habitação Orlando Almeida, ainda vai ganhar uma nova secretaria no governo Kassab. Melhor seria que o prefeito desse ouvidos ao trabalho sério dessa subprefeitura e que alinhasse sua política de planejamento com o governo Serra na linha de descentralização e desconcentração da administração. MARCOS ABRÃOSão Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.