Cartas

Terra de ninguémO bairro Jardim Paraná não oferece o mínimo que o cidadão precisa. Não há nenhuma ação da Prefeitura no bairro, que fica na encosta da Serra da Cantareira. As ruas não têm iluminação pública, as moscas varejeiras e os ratos tomam conta do bairro e não há notícia de alguma ação da Vigilância Sanitária. Também não ocorre a coleta de lixo regular, apesar de nós, moradores, pagarmos religiosamente os impostos. Entendo como direito mínimo nosso: iluminação pública em todas as ruas e vielas do Jardim Paraná, a coleta de lixo regular, o combate efetivo aos insetos e ratos, e que haja instalação pela Sabesp de serviço de água e coleta de esgoto.MARINEIDE NOGUEIRA São PauloA Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Serviços informa que, sobre a falta de iluminação na Rua Travessa das Estrelas (residência da leitora), no bairro Jardim Paraná, uma equipe de manutenção do Departamento de Iluminação Pública (Ilume) compareceu ao local no dia 22/1 e rearmou a proteção, normalizando a situação da via. Sobre a coleta de lixo, uma equipe de fiscalização do Departamento de Limpeza Urbana (Limpurb) realizou uma vistoria na via citada e constatou que a coleta domiciliar é realizada regularmente, às terças-feiras, quintas-feiras e aos sábados. A secretaria salienta que, pelo fato de a Travessa das Estrelas localizar-se numa viela, os resíduos de lixo devem ser transportados pelos moradores até os contêineres que ficam na Rua dos Trabalhadores, onde há acesso para os caminhões coletores. Também será verificada a possibilidade de aumentar o número de contêineres no local. Devolução da taxaÉ uma vergonha esse negócio de inspeção veicular justamente para carros mais novos. Mas isso é fácil de explicar: nossos representantes avaliaram e viram que os motoristas de carros antigos (a grande maioria) já não pagam nem têm interesse na regularização de seus documentos, então, nada mais fácil que exigir essa nova forma de arrecadação para os carros mais novos. Sem contar que ninguém pensa no dia perdido para fazer a inspeção. A piada: o cidadão tem de pagar a taxa para depois tê-la de volta. Então por que a cobrança?MARCELO DE MOURASão PauloColeta seletivaSou amplamente a favor da coleta reciclável e seletiva de lixo, porém acho que a divulgação e a administração do sistema pela Prefeitura são bastante deficientes. Muitos moradores levam na mão por centenas de metros os seus sacos de lixo reciclável até pontos nem sempre unificados. Deveriam existir vários pontos efetivamente identificados, com datas de coletas e horários preestabelecidos e adequadamente divulgados para a sociedade. Tomo a liberdade de apresentar as seguintes sugestões de melhoria: publicações educativas nos meios de comunicação; divulgação de informes publicitários em TV e rádio; divulgação também em escolas, universidades e edifícios públicos; a instalação de coletores adequados em supermercados, condomínios, empresas, etc.; a instalação pela Prefeitura de coletores adequados em pontos estratégicos da cidade; e, por fim, que haja uma coordenação adequada e inspeção da coleta seletiva.ERHARD DOTTISão PauloEduardo Biazi, da Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Serviços, esclarece que o Programa de Coleta Seletiva contempla atualmente 74 dos 96 municípios existentes e que está em fase de expansão. A divulgação e a conscientização sobre a necessidade de reciclagem de materiais são feitas pelo departamento de Educação e Divulgação do Limpurb (Departamento de Limpeza Urbana) que, conforme solicitação, ministra palestras em condomínios, empresas, escolas, hospitais, comunidades carentes, entre outros. A divulgação também é realizada pelas concessionárias Loga e Ecourbis, que entregam folhetos explicativos sobre a coleta seletiva, e pelas centrais de triagem, que mantêm contato direto com os munícipes, orientando sobre como devem ser feitas a limpeza e a separação desses materiais. Com relação aos coletores ou contêineres, eles são instalados preferencialmente em locais confinados, tais como escolas, praças, parques e postos de atendimento que possuam vigilância permanente, ou, ainda, são disponibilizados quando solicitados por condomínios residenciais, comerciais e empresas privadas. Esclarece ainda que muitos contêineres que haviam sido instalados em locais públicos foram retirados pelas concessionárias responsáveis pela instalação e coleta, pelo fato de estarem sendo depredados, queimados e servindo para acondicionamento de lixo orgânico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.