Cartas

A NET não respeita o clienteDesde o dia 4/1 estou sem os serviço NET Virtua e NET Fone (internet e telefone) na minha residência. O problema não é só na minha casa, pois o vizinho do mesmo condomínio também passa pela mesma situação. Já abri diversos chamados na NET, mas nunca tive o devido retorno. Recebi uma carta informando que a empresa não conseguiu entrar em contato comigo no meu telefone residencial. Mas é por esse motivo que venho reclamando, não consigo usar o meu telefone! Estou tendo sérios problemas e prejuízos. No dia 13/1 fui informado pela funcionária da ouvidoria da empresa de que meu problema seria solucionado em 3 dias, já que "não podia parar com o atendimento aos assinantes" - mas o que eu sou, afinal? No dia seguinte recebi a fatura da NET com vencimento para o dia 20 e com a cobrança de todos os serviços. Além de eles não funcionarem, não recebi nenhum desconto na fatura por isso. Ou seja, estou pagando por um serviço que não recebi. Trabalho com uma grande empresa de terceirização de tecnologia e tenho de acompanhar os projetos e, como estou sem internet e telefone, tenho de ir da minha casa para a empresa. O trajeto de ida e volta dá 42 quilômetros. A NET irá me ressarcir? E quanto ao período que fiquei sem telefone e utilizando o celular, a empresa vai pagar a diferença? Essa falta de comprometimento com o cliente é o pior serviço que essa prestadora oferece.MAURICIO RIBEIROSão PauloA NET informa ter entrado em contato no dia 27/1 com o sr. Ribeiro e que o sistema já está normalizado.No próximo aniversárioA Prefeitura de São Paulo fez uma festa de dois dias para comemorar o aniversário da cidade. Mas há muito a ser feito. Moro no Vale do Anhangabaú e por isso sei como é difícil viver na região, principalmente quando há eventos como esse, em que o Vale se torna palco de comemorações. Como de hábito, o resultado é um só: o povo que comparece deixa as praças, calçadas e ruas repletas de lixo, isso quando não há vandalismo. E ainda é preciso conviver com os mendigos que estendem seus colchões nas calçadas, em portas de lojas, calçadões e prédios residenciais. Na Rua Álvaro de Carvalho há dois viadutos, o Major Quedinho e o Nove de Julho, cujas calçadas estão um horror, quebradas, sujas, inclinadas, desniveladas, porque servem de rampa para o acesso a estacionamentos e garagens de prédios. Já reclamei inúmeras vezes para a Prefeitura e não obtive retorno. Além da sujeira, há a insegurança. Tem gente que faz um contorno para evitar passar embaixo dos viadutos. No Viaduto Major Quedinho, os camelôs estão se instalando já há algum tempo. Nunca vi fiscal da Prefeitura nem guarda municipal por ali. No próximo aniversário não quero festa. Quero de presente para São Paulo uma cidade segura, livre de mendigos e camelôs, com calçadas limpas, acessíveis. RENATA RODRIGUESSão PauloNinguém resolve nada Moro no bairro Cerqueira César e na esquina da Rua Padre João Manuel com a Alameda Jaú há uma boca-de-lobo onde transborda esgoto a céu aberto diariamente, levando, pelos pneus dos carros, os detritos e o mau cheiro para dentro das garagens dos prédios. Equipes da Sabesp já foram ao local, mas não solucionaram o problema. É inadmissível que uma empresa desse porte não resolva um problema aparentemente simples. PAULO VIEIRA DA ROCHASão PauloO superintendente da Unidade de Negócio Centro, Francisco José F. Paracampos, informa que a boca-de-lobo obstruída na Rua Padre João Manuel com a Alameda Jaú, por onde transborda o esgoto, é de responsabilidade da Prefeitura, que foi comunicada por ofício no dia 19/1.O leitor contesta: O problema persiste. Enfim, Sabesp ou Prefeitura, alguém precisa resolver o problema!O desrespeito continua A reclamação do sr. Mauro Sérgio de Medeiros (Promoção só por telefone, 25/1) é, no mínimo, uma afronta ao Código de Defesa do Consumidor e a todas as normas que regulamentam o bom senso entre grandes empresas e consumidores. Estou realmente indignado com o desrespeito da Telefônica, ou "telecínica", afinal, o cinismo dos atendentes é fora do comum. Gostaria que o jornal contribuísse para não deixar a ver navios não só o reclamante, mas todos nós, pobres reféns dessa empresa de telefonia.ELIOMAR S. RODRIGUESCampinas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.