Cartas

Coleta de lixo na madrugadaMoro na Rua Martim Francisco, no bairro de Santa Cecília e reclamei pelo 156 da Prefeitura sobre o caminhão de lixo passar por volta das 2 horas. Porém, minha queixa não foi aceita, sob a alegação de que a coleta de lixo é "um benefício para a comunidade". Concordo, mas poderiam fazê-la em outro horário que não perturbasse o sono dos paulistanos. LUIZA MARTINS WERNECKSão PauloA Logística Ambiental de São Paulo S.A. (Loga) informa que a concessionária responsável pela região onde reside a sra. Luiza atende a 13 subprefeituras, aproximadamente 1,5 milhão de lares e perto de 5,5 milhões de cidadãos, coletando cerca de 6 mil toneladas de lixo por dia com uma frota de 180 equipamentos usados 24 horas. Diz que o assunto foi estudado pela empresa em conjunto com o Poder Executivo e concluíram que não seria possível fazer a coleta somente de dia por causa do grande volume de resíduos produzido, como também o impacto que a mudança causaria no trânsito da cidade. Acrescenta que, para isso, teriam de aumentar a frota em mais de 350 caminhões e informa que as diretrizes da Prefeitura para tornar a cidade menos problemática em termos de circulação, como o rodízio de veículos e a chamada Zona Máxima de Restrição de Circulação, também atingem os concessionários da coleta e limitam ainda mais o horário de atendimento. Esclarece que busca minimizar o desconforto, realizou uma parceria com os fabricantes dos equipamentos para reduzir o nível de decibéis e comprou 59 equipamentos novos com menor emissão de ruídos que irão entrar para a frota nos próximos 90 dias.Pelos direitos do idosoO subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Henrique Freitas, anunciou no dia 18 que o órgão vai intimar 1.470 contribuintes pessoas físicas e que a Receita espera arrecadar R$ 475 milhões. Ele também alertou que a nova programação deve instituir um padrão para que quem caiu na malha fina por anos consecutivos e foi liberado todas as vezes por apresentar a declaração correta não fique mais retido. É um avanço, mas gostaria que o sr. Freitas informasse como deve agir o contribuinte idoso que está na malha fina por anos consecutivos e não pode fazer declaração retificadora para justificar a pendência informada pela Receita (inconsistência no valor de despesas médicas). O idoso nessas condições sofre física e mentalmente, além de ter sua dignidade ferida. Ora, se a Receita vai fazer cruzamentos internos para pegar possíveis fraudadores, por que não faz o cruzamento de quem não deve nada ou tem a receber? Apurar responsabilidade de possíveis fraudadores é justo, mas deixar de cumprir o Estatuto do Idoso, ao meu ver, pode constituir crime. RUBENS STOCKSão PauloVagas no IbirapueraOs usuários matutinos do Parque Ibirapuera que estacionam no entorno do Manequinho Lopes, que é o meu caso, foram surpreendidos pela mudança de direção na entrada do estacionamento. Guardas informaram que a alteração foi feita pela CET. Quem fez essa modificação desconhece a rotina do local. Como a demanda pelo estacionamento é grande, a partir das 7h30 começa a se formar uma fila aguardando a liberação de vaga. Com a mudança, não sobra espaço suficiente para a fila de espera e os carros começam a bloquear o portão de entrada, não permitindo nem a entrada nem a saída!GILBERTO JUNQUEIRA MEIRELLESSão PauloAdele Nabhan, do Departamento de Imprensa da CET, esclarece que a CET alterou a circulação de acesso ao bolsão Manequinho Lopes a pedido da administração do Parque Ibirapuera, visando a melhorar o controle de veículos e agilizar a utilização das vagas. Acrescenta que a medida foi adotada em caráter experimental e que a CET acompanhará sua viabilidade durante o período de avaliação, tomando as medidas cabíveis para eventuais correções que forem necessárias.Insegurança na cidadeÉ desanimador toda vez que leio uma resposta da assessoria da Polícia Militar (PM) às queixas dos cidadãos. A impressão que se tem é de que somos ingratos e que não há problemas de segurança na cidade. As pessoas são assaltadas cinco vezes no mesmo local e a PM responde que realiza operações, que efetuou prisões, etc. As respostas são padronizadas, a única mudança que a assessoria faz é trocar o número do batalhão e o nome da região. Será que um dia a PM fará o que deve fazer, ou seja, policiar, em vez de eximir-se por meio de respostas vagas? Será que já ouviram falar em policiamento ostensivo?CACALO KFOURISão Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.