Cartas

O drama da telefoniaSou apenas mais uma consumidora da Telefônica a enfrentar o mau atendimento na tentativa de solucionar um problema simples. Eu queria transferir o serviço Speedy para outra linha telefônica de minha residência. A Telefônica alegou ser impossível. Precisei cancelar o serviço e a linha e contratar outra. Para cada operação tive de ter muita paciência, já que funcionários passaram informações desencontradas e muitos números de protocolos. A promessa era de que o serviço seria realizado em 3 dias úteis, mas foram 15 dias corridos. Após essa espera (sem internet em casa) chegou um modem no meu endereço, contrariando a informação de que o modem seria o mesmo que eu já usava. Como a Telefônica não o instalou, precisei chamar um técnico particular para isso. Após a instalação, o sinal prometido de ser enviado pela Telefônica em até 24 horas não ocorreu. Fiz outro chamado para isso, mas a empresa não cumpriu o prometido. Minha linha faz parte de uma central telefônica doméstica e, aparentemente, o Speedy não aceita essa configuração, mas em momento algum funcionários da empresa me informaram isso. Conclusão: estou há um mês sem internet, com um modem que não pedi, que não funciona e com um serviço contratado que não é prestado. Será que ainda assim a Telefônica vai falar em multa de cancelamento?CHRISTIANE POVEL MARCO ANTONIOSão PauloA Assessoria de Imprensa da Telefônica informa que cancelou o serviço mencionado pela sra. Christiane, sem ônus financeiros para a cliente. A empresa lamenta e pede desculpas pelos transtornos causados. Respostas-padrãoConcordo plenamente com a indignação do leitor sr. Cacalo Kfouri, quando ele se referiu à padronização das respostas da Polícia Militar (Insegurança na cidade, 24/3). Há algumas semanas eu havia reclamado da explicação da Polícia Militar sobre as multas dadas pela Polícia Rodoviária, "feitas em cima de viadutos (à socapa) para não causar acidentes". Aliás, as reclamações enviadas às empresas particulares, na maioria das vezes, são respondidas adequadamente, com esclarecimentos e pedidos de desculpas. Se resolveram realmente o problema, isso é outra questão. No entanto, os órgãos públicos apresentam respostas vagas, muitas vezes sem nenhuma relação com a reclamação, com a clara intenção de fugir do assunto e confundir o leitor. Esse tipo de atitude corporativista ocorre pela certeza da impunidade. Retrato do Brasil atual.FREDERICO FONTOURA LEINZSão PauloAtuação dos flanelinhasTenho uma dúvida sobre onde devo fazer uma denúncia e qual órgão procurar. Paro meu carro todo dia na Rua Antonio Batuira, no bairro Alto de Pinheiros, próximo à Praça Panamericana. No local há diversos flanelinhas, eles se dividem em grupos e ficam em horários diferentes, cada um cuidando de determinado local. Alguns deles aparecem apenas nos finais de semana. É impossível dar caixinha para todos. O problema é que a 20 metros dali fica uma viatura da Polícia Militar que não toma nenhuma providência para coibir esse tipo de extorsão. Se o problema for de competência da Polícia Militar, peço ajuda para que intervenha. ALEXANDRE FERREIRA São PauloA Assessoria de Imprensa da Polícia Militar informa que a atuação dos flanelinhas configurará ação de polícia se estiver ocorrendo algum tipo de delito (extorsão, roubo, constrangimento ilegal, etc.). Deve-se esclarecer que não havendo vítima não está configurado delito e o policial militar só pode efetuar prisão em flagrante delito ou em cumprimento de mandado judicial. A condução coercitiva de uma pessoa ao Distrito Policial somente terá respaldo legal em situações em que não for possível a identificação da pessoa ou se houver dúvida quanto à autenticidade dos documentos apresentados ao policial. Os cidadãos que se sentirem ameaçados ou intimidados deverão entrar em contato com a Polícia Militar pelo 190 ou acionar o policial que estiver mais próximo.Computadores quebradosVenho pedir a manutenção urgente de 7 computadores do CEU Parque Veredas, localizado na Rua Daniel Muller, 347, no Itaim Paulista. Eles estão quebrados há oito meses. Já fiz vários pedidos pela Ouvidoria da Prefeitura e pelo 156, mas de nada adiantou, não recebi nenhuma resposta. Espero que solucionem o problema, pois é uma vergonha que isso continue do jeito que está!LUIS RUIZ DA SILVASão PauloA Subprefeitura do Itaim Paulista não respondeu à reclamação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.