Cartas

Descaso com a cidadeHá aproximadamente um ano a Prefeitura cercou parte da Praça do Correio com grades. Elas tiveram o efeito mágico de afastar os mendigos e vândalos. Em pouco tempo moradores da região começaram a plantar árvores no local, incluindo imbaúbas, pitangas, pitangões cerejas nativas, figueiras-brancas e outras espécies, pensadas para formar um pequeno bosque e favorecer nossas aves urbanas, prejudicadas por uma arborização pública obcecada por ipês. As árvores tiveram excelente sobrevivência, apesar do desleixo dos que cortam a grama do local e as ferem. Com o programa de zeladoria de praças, criado pela Prefeitura, esperamos que esse processo de recuperação das áreas verdes continue. Embora os zeladores tenham tido treinamento, é importante que este seja ampliado a seus supervisores, que comumente ordenam que espécies perfeitamente adequadas para praças plantadas por cidadãos sejam cortadas. Perto da Praça do Correio, em contraste, o Largo do Paiçandu vive uma rotina de vandalismo e degradação. O logradouro está abandonado, sem fiscalização. Tanto a ação do São Paulo Protege, como da Guarda Municipal, é completamente inócua para impedir o vandalismo. Sugiro que seja adotada a mesma estratégia usada na Praça do Correio. O deprimente é que o Paiçandu poderia ser uma extensão natural da Secretaria da Cultura e da Galeria do Rock. Imagine se ali houvesse mais área verde e equipamentos esportivos, como uma pista de skate.FABIO OLMOSSão PauloA Secretaria de Verde e Meio Ambiente não respondeu.Respeito ao idosoAtravessar a Rua Cardoso de Almeida com a Caiubi, apesar do semáforo, é uma grande aventura, principalmente para a terceira idade, uma vez que não há sinalização para pedestre. Temos de correr para chegar ao outro lado, já que os motoristas, em sua maioria, não respeitam o transeunte. A quem devemos recorrer?MARIA FONTANA LOPEZSão PauloAdele Nabhan, do Departamento de Imprensa da CET, informa que foi elaborado um projeto de sinalização semafórica para pedestres no cruzamento das Ruas Cardoso de Almeida e Caiubi, que será implantado conforme cronograma de serviços da CET.Empresários na linhaA Prefeitura deveria promover uma fiscalização e devassar a contabilidade das empresas de ônibus que prestam serviços na cidade. Depois de multar e cassar a licença de algumas, esses infelizes e inescrupulosos empresários irão pensar duas vezes antes de chantagear a Prefeitura e a população. CLEIDE M. SILVASão PauloTrilhos abandonadosReclamo do completo descaso da Prefeitura com o trecho da Rua Visconde de Parnaíba, na Mooca, compreendido entre as Ruas Almeida Lima e Hipódromo. Há mais de dez anos foram instalados nessa rua trilhos para o bonde turístico do Memorial do Imigrante. Porém, nunca foram feitos manutenção e recapeamento. Há um afundamento no asfalto ao redor dos trilhos, causado pela grande circulação de caminhões. Todos os dias há acidentes com motociclistas. O fato de a rua ser mão dupla e estacionarem carros dos dois lados obriga, várias vezes, o motorista a transitar sobre os trilhos. Além das ruas, as calçadas estão em péssimo estado. LAILA GUILHERME DOS SANTOS São PauloA Subprefeitura da Mooca não respondeu. Canais sem qualidadeA SKY não resolve absolutamente nada do que o consumidor solicita, tanto por telefone como por e-mail. A empresa adota respostas padronizadas para qualquer problema. E, de uns tempos para cá, vem colocando canais de vendas em demasia, além de emissoras governamentais e evangélicas, em detrimento de canais que os antigos assinantes da Direct TV possuíam. Temo até pela saúde da empresa, tal é o conteúdo medíocre que disponibiliza. CARLOS HENRIQUE RAPP JÚNIORSão PauloO vice-presidente de clientes da SKY, Vito Chiarella, esclarece que um dos objetivos da empresa é atender todos os clientes o mais prontamente possível. Informa ter tentado entrar em contato com o sr. Rapp Júnior, mas não teve êxito. Dessa forma, enviou e-mail com os devidos esclarecimentos.O leitor afirma: A SKY usa de evasivas das mais absurdas, alardeando que sua programação é de qualidade, quando oferece nada menos que 7 canais de vendas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.