Cartas

Mau exemploTodos os dias vejo como as pessoas não respeitam os direitos básicos do próximo. Alguns pais de alunos da Escola Acuti, na Rua Acuti, na Cidade Dutra, param em frente ao portão de minha garagem onde há uma placa muito clara no portão: "Proibido estacionar dia e noite." Mas ela é obviamente ignorada por eles. O motivo alegado por todos é de que vai ser rapidinho. Enviei minha reclamação à CET pela internet, conforme foi solicitado pelo atendente, quando fui registrar uma das inúmeras reclamações sobre esse desrespeito. Pedi no e-mail que fosse providenciada alguma ação no sentido de que esse episódio desagradável não se repetisse mais. Porém, também senti o descaso da CET. O problema ocorre todos os dias e nada é feito. Enquanto isso, fico dependendo da boa vontade e da sorte para tirar o carro de minha garagem. Se eu tiver uma emergência, precisarei contar com a "gentileza" de algum pai que tenha estacionado em frente à minha garagem para retirar seu carro. Imagino qual é o tipo de educação dada por esses pais a seus filhos, já que eles são incapazes de respeitar os direitos do próximo!SIMONE KIYOMI AISOSão PauloAdele Nabhan, do Departamento de Imprensa da CET, informa que o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em seu artigo 181, Inciso IX, determina que é proibido o estacionamento de veículos onde houver guia de calçada rebaixada destinada à entrada ou saída de veículos. Explica que, nesses casos, o munícipe pode e deve solicitar fiscalização pelo telefone 1188 e esclarece ainda que não há necessidade de sinalização específica, valendo a regra geral do CTB.Nova CracolândiaCentenas de jovens, crianças e adultos vendem, compram e consomem drogas no quadrilátero formado pelas Ruas Guaianazes, Vitória, Conselheiro Nébias e Gusmões, na República. Moradores e comerciantes vivem assustados. Durante o dia os usuários de drogas dormem nas calçadas e, à noite, quando os comerciantes fecham as lojas, eles se reúnem na Guaianazes. Ao levar os filhos à escola, muitos moradores têm de pedir licença - alguns deles gritam sem parar, perguntando quem tem crack ou cocaína para vender. A polícia, a cavalo ou em viaturas, passeia entre eles e nada faz. Acredito que deveria ter um posto policial aberto 24 horas na esquina da Rua dos Gusmões com a Guaianazes. Pela Rua Guaianazes há pichações com os seguintes dizeres: "Viva a nova Cracolândia 2009!" Nenhum político nas esferas municipal, estadual e federal faz algo. O comércio de drogas floresce livre das ações de policiais. JOÃO DA SILVASão PauloA Polícia Militar informa que a revitalização da região é um fato que ocorre desde 2005 e foram realizadas constantes Operações, além do policiamento ostensivo preventivo pelo 13.º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano. Diz que a polícia está sempre presente e as operações são diárias. Esclarece que os problemas relativos à polícia vão além da área de segurança, estendendo-se pelas áreas social e de saúde. Há um trabalho integrado com a Prefeitura, Saúde e Assistência Social, que deve continuar neste ano. Informa que o trabalho conta com o apoio de várias unidades da Polícia Militar, cada uma agindo nos limites de suas atribuições. Explica que a atuação da tropa montada em locais de densas concentrações de pessoas é altamente eficaz. Péssimos torcedoresHá muitas brigas dentro dos trens da CPTM em dias de jogos de futebol na cidade. No domingo passado, dia 12, minha irmã viajou da estação Brás até a Calmon Viana por volta das 21 horas e viveu momentos de pânico. Alguns indivíduos armados com cassetetes de ferro estavam preparados para bater nos adversários, nos guardas e em quem mais que os contrariasse. Havia muitas crianças assustadas e uma cadeirante passou mal. Parece que ninguém foi punido nem a Polícia Militar foi chamada. Os trens estavam circulando de 30 em 30 minutos, apesar de ser Páscoa e eles estarem lotados. MARCELO GOUVEIASão PauloMulta e sinalização Recebi uma multa de rodízio e recorri ao Departamento de Operação do Sistema Viário (DSV) argumentando que, se a via não é sinalizada como sendo de tráfego restrito, não pode haver infração, como determina o Artigo 90 do Código de Trânsito Brasileiro. A única resposta foi: "A infração foi comprovada por sistema automático não metrológico de fiscalização." Conclusão: o DSV não entende o que lê ou pior, finge não entender. Será que o Ministério Público Estadual fará algo a respeito?ROBERT AMARAL SHARPSão Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.