Cartas

O problema do lixoNão dá para entender por que a Prefeitura não determina a todos os edifícios e residências que construam um recinto na entrada das edificações, ou mesmo nas calçadas, para que o lixo acondicionado em sacos plásticos seja ali colocado e não nas vias. Podem os leitores imaginar que esse fato ocorre na frente do edifício onde mora o nosso prefeito? Os sacos são abertos pelos catadores e não são fechados. Quando chove, o lixo se espalha. Esse fato ocorre em todo o Município, e é uma das causas das enchentes. Se a Prefeitura quiser verificar uma boa medida implantada, um recinto adequado para o acondicionamento de lixo, sugiro uma visita à Rua Cassio da Costa Vidigal, onde resido.ANTONIO DI STASISão PauloA Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Serviços esclarece que o Departamento de Limpeza Urbana (Limpurb) realiza constantes ações para orientar o munícipe de como proceder de forma correta em relação ao horário em que os sacos de lixo devem ser colocados na calçada para a coleta. Informa que isso deve ser feito duas horas antes de o caminhão passar, para evitar que esses sacos fiquem na via por mais tempo do que o determinado. Quanto à instalação de lixeiras em condomínios, a fiscalização é de responsabilidade da subprefeitura de cada região. O recomendado, informa, é que essas lixeiras sejam instaladas dentro dos condomínios para não obstruir a passagem de pedestres, conforme a Lei 13.478/2002. Acrescenta que, se houver dúvidas ou para obter maisinformações, o cidadão deve entrar em contato com a subprefeitura local. Avaliação do professorO governo estadual diz que o bônus pago aos professores é por merecimento. Leciono Matemática. Meus alunos da 5.ª série não fizeram a prova do Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp), e, para aqueles que a fizeram, os resultados não foram divulgados. A escola onde leciono atingiu a pontuação do Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (Idesp) só no ensino médio. Os professores da 5.ª, 6.ª e 7.ª séries foram responsabilizados pelo rendimento das 8.ªs. Mas uma disciplina como Geografia, por exemplo, não é contemplada pelo Saresp. O professor do ensino fundamental dessa disciplina ficou sem bônus porque a escola não atingiu as metas em Português e Matemática. Muitos professores têm alunos que já deveriam ter sido alfabetizados e não sabem ler, escrever ou fazer contas. Temos também de lidar com a evasão escolar. Se o salário do professor fosse digno, não seria necessário ganhar bônus. Eu não fui avaliada! Que incentivo é dado ao professor que não tem seu trabalho reconhecido, não pode "dar abonadas" (faltas a que tem direito) porque não há professores substitutos, e ainda vê aqueles que faltam o ano todo recebendo bônus?LUCIANA CRISTINA B. DA CONCEIÇÃOSão PauloA Secretaria de Estado da Educação informa que o bônus por desempenho premia os funcionários de escolas que evoluíram de um ano para o outro e a professora sra. Luciana foi avaliada durante todo o ano de 2008, mas o ensino fundamental da escola que ela leciona não atingiu os resultados - que foram divulgados e podem ser consultados pelo site da secretaria. Informa que, se houvesse evolução, sem mesmo chegar à meta, teria recebido a premiação. O critério premia a evolução na aprendizagem dos alunos e os funcionários comprometidos com o ensino. Acrescenta que o bônus chegou a 2,9 salários mensais e premiou cerca de 195 mil educadores. Afirma que os professores, para receber o bônus, devem atuar, no mínimo, em dois terços do ano e quem faltou excessivamente pode ter até recebido o bônus, mas em valor menor por causa das faltas. Esclarece que o critério continuará o mesmo, e que a missão da escola é estimular os alunos a aprender e ajudá-los. O objetivo é que a escola supere suas metas ano a ano para, assim, manter um nível adequado de aprendizagem. Alega que concedeu reajuste salarial de até 12% a seus funcionários e acredita que os professores, essenciais na rede de ensino, merecem o bônus.Antes que seja tardeA divulgação de que a Represa Guarapiranga está coalhada de lixo, jogado pelos moradores das suas imediações, é lamentável. Mostra uma realidade que se repete em outros locais, como nos Rios Pinheiros e Tietê. E mostra que vai faltar água potável na capital. Por que os governantes não fazem uma campanha intensiva de conscientização, começando pelas crianças? Outra sugestão é o uso da água da chuva para limpeza pública, por exemplo. Algo precisa ser feito.URIEL VILLAS BOASSantos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.