Cartas

Pesadelo com a TelefônicaReconheço os benefícios que a privatização da telefonia trouxe ao Brasil. Mas não entendo por que temos de ficar na dependência de um prestador de serviço de qualidade tão ruim quanto a Telefônica. Desde o final do ano passado vivo o pesadelo de ter de lidar com essa companhia. Pedi o desligamento do serviço telefônico e do Speedy. No entanto, até agora não consegui nada, apesar dos inúmeros protocolos, carta registrada, etc. Estou há quatro meses nessa novela. Em abril recebi uma conta de R$ 257 por um serviço que não está sendo usado! Como se isso não fosse suficiente, o telefone da minha casa parou de funcionar no final de janeiro - e isso porque ainda pago uma taxa para manutenção interna da rede. Nos EUA há um departamento que pune firmas como essa. No Brasil só nos resta sentar e esperar pela boa vontade dessa empresa.HELOIZA M. Z. GOODRICHSão PauloA Assessoria de Imprensa da Telefônica informa que cancelou o serviço mencionado pela sra. Heloiza, sem ônus financeiros para a cliente. Esclarece que a linha de sua residência está funcionando normalmente e que ela receberá ressarcimento, em conta futura, do período em que a linha apresentou problemas. A empresa, que entrou em contato com a sra. Heloiza para os esclarecimentos necessários, lamenta e pede desculpas pelos transtornos causados. Para outros esclarecimentos, os clientes devem entrar em contato com a Central de Atendimento, pelo 10315(ligação gratuita).A leitora comenta: Lamento ter precisado recorrer ao jornal para resolver um problema tão simples.Virada CulturalEstou indignada. Muito dinheiro dos contribuintes foi gasto na Virada Cultural, que poderia ter sido muito boa se houvesse policiamento ostensivo e em quantidade adequada. Havia quem usasse drogas sem a preocupação de disfarçar. Trombadinhas batiam carteiras e camelôs vendiam todo o tipo de bebida alcoólica. Havia jovens caídos no chão por uso excessivo de álcool e drogas. Os turistas que vieram para cá devem estar confirmando o que escutam falar da cidade. Como paulistana, fiquei envergonhada.CLÉLIA MENDONÇA SICASão PauloPega ladrão!Bem que minha mãe avisou: "Filha, não vá ao Parque da Luz. É perigoso." O parque estava lindo, mas, quando fui tirar uma foto, roubaram minha câmera. Corri atrás do ladrão. Dois seguranças me ajudaram. Eu gritava: Pega! Conseguiram pegar o ladrão, mas ele estava sem a câmera, por isso não foi possível dar o flagrante. Refiz o caminho para tentar achá-la, mas não a encontrei. Ao voltar, o ladrão e o policial tinham sumido. Os policiais falaram para eu ir à Base Comunitária no outro lado do parque fazer o Boletim de Ocorrência (B.O.). Lá os policiais falaram para eu ir a outro distrito policial. Descobri, então, que os distritos policiais não se comunicam entre si. A Prefeitura, antes de fazer um evento desse porte, deveria se organizar e dar mais segurança aos cidadãos.LILIAN BENJAMINSão PauloMala extraviadaFiz uma viagem pela TAM e minha mala foi extraviada. Quando eu a localizei, faltavam alguns objetos. Desde então tento uma solução, mas não consigo.MARLI ARRUDA DE PAULASanto André Carla Dieguez, gerente de Relações com a Imprensa da TAM Linhas Aéreas, esclarece que a equipe do serviço Fale com o Presidente entrou em contato com a sra. Marli para esclarecer os procedimentos adotados. Explica que, se há sinal de violação, a mala deve ser pesada novamente para que seu peso seja comparado com o registrado na etiqueta. Acrescenta que, se a diferença for maior do que 1 kg, o cliente será indenizado, de acordo com determinações da Convenção de Varsóvia. Informa que uma indenização correspondente a 10 kg foi colocada à disposição da passageira e pode ser acessada seguindo informações prestadas a ela por e-mail. E diz que a gerência de Tráfego já está ciente do ocorrido e providências para evitar a reincidência desses casos estão sendo tomadas.Restrição de Zona Azul Oportuna a reportagem sobre as mudanças em estacionamentos pela CET (2/5, C6). Discordo com o fim da Zona Azul do Itaim-Bibi. Comerciantes locais e taxistas, que tiveram seus pontos transferidos, tiveram na semana passada, queda de até 20% no faturamento. A Avenida Nove de Julho com a São Gabriel virou um verdadeiro caos. O estacionamento em que deixo o carro subiu de R$ 110 para R$ 200! Obrigado, CET!SIDNEI GLIBASSão Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.