Cartas

Atendimento livreDia 20 de março, solicitei o telefone livre da Embratel e o recebi seis dias depois. Mas a caixa, recebida pelos Correios, estava violada e seu conteúdo, revirado. Prontamente entrei em contato com a Embratel exigindo a troca do aparelho. Após várias tentativas frustradas e nenhum prazo respeitado por eles, em 14 de abril pedi o cancelamento do serviço. Combinamos que o celular seria devolvido. Porém, não foi recolhido. Após mais de 20 contatos com a Embratel e quase dois meses, o atendente informou que eu perdi o prazo para solicitar a devolução do aparelho, pois "a culpa é minha de não honrar o compromisso". Entretanto, a Embratel não recolhe ou troca o aparelho no prazo estipulado. Se o cliente não entrar em contato para avisar sobre a incompetência deles, eles não marcam outra data. Durante esse percalço, eu já fui até xingado por um atendente da Embratel. É comum ser interrompido por um deles no meio do telefonema e escutar "eu também tenho de falar, você falou o que queria e agora também tem de ouvir. No dia 13 de maio, ainda continuo com um aparelho que chegou violado e não foram buscar. Meu CPF pode ser negativado porque me recuso a pagar por um produto que nunca recebi, o que é óbvio. Solicitei à Embratel as inúmeras gravações das ligações sobre o problema, porém eu nunca as recebi. ROBERTO MELLO São PauloO Atendimento Livre da Embratel informa que o cancelamento da compra foi efetivado e que o valor pago pelo aparelho já foi repassado para a administradora do cartão de crédito do sr. Mello, que é a responsável pelo ressarcimento. Construções irregularesA Sociedade Amigos do Bairro do Alto da Boa Vista denunciou ao Ministério Público a construção irregular de um conjunto de prédios na Rua Belterra, esquina com a Avenida Washington Luiz, zona de ocupação estritamente residencial. A lei proíbe a construção de prédios com mais de dois andares na região, mas, no ano passado, a Secretaria Municipal da Habitação (Sehab) aprovou um empreendimento que engloba 8 edifícios de 12 andares. Os moradores do bairro recorreram à Justiça para embargar a obra. Uma liminar favorável ao pedido foi expedida dia 15 de abril. É estranho a Prefeitura aprovar o projeto contrariando a Lei de Zoneamento. Esse empreendimento está colado à Praça da Chácara das Paineiras, que possui espécies da mata atlântica, e os prédios formariam um verdadeiro paredão no local. ELIZA FERNANDESSão PauloA Secretaria Municipal da Habitação informa que se limita a aplicar a legislação aos projetos protocolados para aprovação. A proposta inicial do projeto previa a construção de 12 torres, com 8 pavimentos cada uma, e 384 unidades residenciais, distribuídas em duas por andar. Após análise, a Sehab aprovou 4 torres, com 8 pavimentos cada uma, distribuídas em quatro por andar, pois o zoneamento da região permite construções desse porte. O projeto guarda recuo de 25 metros do limite do novo zoneamento, e cedeu outros 25 metros do lado oposto para obras de alargamento da Avenida Washington Luiz. O projeto foi objeto de laudo de avaliação ambiental da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, que fixou diretrizes para a adoção de arborização e compensação obrigatória, como também para compensação de impacto no trânsito pela CET. Acrescenta que, nesse caso, a decisão da Justiça foi em caráter liminar.Problemas no sistemaFiz um exame para adição de categoria de moto na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) no dia 27 de fevereiro. Passei no exame e, no mesmo dia, começaram os problemas de emissão de CNH no Detran. Não sei se o problema continua, mas até hoje não recebi a carteira. Já se passaram três meses e o telefone do Detran sempre está ocupado!SILMAR PERPÉTUO DA SILVASão PauloA Assessoria de Comunicação do Departamento de Trânsito (Detran-SP) informa ter consultado a Divisão de Habilitação e soube que o caso do leitor está incluso em problema de sistema, cuja solução está sendo tratada pela Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo (Prodesp), responsável pelo sistema estadual, e pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), responsável pelo sistema federal. Assim que a questão técnica for solucionada, o documento será emitido.O leitor contesta: Há três meses ouço desculpas esfarrapadas. O pior é que já comprei a moto e não posso dirigir. Realmente aqui nada funciona! Estou indignado pela indiferença com que os órgãos públicos tratam o cidadão.

, O Estadao de S.Paulo

28 de maio de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.