Cartas

Linha de telefone fica muda... Tenho uma linha telefônica que tinha Speedy instalado. Por causa das várias deficiências desse serviço, pedi seu cancelamento em 3 de junho. Coincidentemente ou não, em 5 de junho a linha de meu telefone ficou muda e parou de fazer ligações. A Telefônica informou que o problema era interno. Então, contratei um profissional autônomo por R$ 100 para consertá-la. Mas ele verificou e constatou que, mesmo no poste, a linha estava muda, portanto, o problema era com a Telefônica. Fiz diversas reclamações na empresa sem obter uma solução. A linha continua muda, porém a Telefônica informou que mandou um técnico até minha casa, que foi desautorizado a realizar o serviço por um tal de "sr. Antônio". Não há ninguém em minha casa com esse nome! Também ninguém dessa empresa me procurou em nenhum dos meus telefones de contato. Coloco-me à disposição dos técnicos da Telefônica para agendar uma vistoria conjunta no poste ou para que eles prestem os esclarecimentos que julgarem necessários. DINO SBRAGIA São Paulo A Telefônica informa que a linha do sr. Sbragia está funcionando normalmente, após ajustes técnicos. Esclarece que o cliente receberá, em conta futura, crédito do período em que a linha apresentou problemas e que o leitor confirmou o atendimento. A empresa diz que lamenta e pede desculpas pelos transtornos causados. O leitor comenta: O assunto só foi solucionado, a contento, com a interferência direta do Estado. Constrangimento Reclamo da nova regra de uso do Bilhete Único que bloqueia por 30 minutos a sua reutilização, mesmo que o usuário tenha créditos. Minha mãe estava com meu irmão, de 11 anos, e se sentiu humilhada quando ele não conseguiu passar pela catraca. O atendente explicou a regra e disse que eles teriam de esperar para passar o cartão de novo ou ela teria de pagar a passagem dele. Eles perderam meia hora do dia e chegaram atrasados ao compromisso. CLEBER VALADARES DA SILVA São Paulo A SPTrans não respondeu. Pragas urbanas Há uma infestação de ratos e baratas na Rua São Gonçalo do Abaeté, na Brasilândia, onde moro. Já abri diversos protocolos na Prefeitura sobre o problema, mas ainda não fizeram o tratamento químico nos bueiros da rua. Além disso, na Avenida Inajar de Souza, na altura do n.º 6.000 até o n.º 7.000, há uma obra inacabada feita pela Prefeitura há anos, que se transformou em uma cratera. RICARDO JOSÉ MENDES DIAS São Paulo O secretário das Subprefeituras,Andrea Matarazzo, responde que a Supervisão de Vigilância Sanitária da Subprefeitura da Freguesia do Ó realizará uma nova operação antipragas nos próximos dias na Rua São Gonçalo do Abaeté e informa que a última vistoria foi feita em 4 de julho após uma solicitação do leitor pelo SAC. Sobre a cratera citada na Avenida Inajar de Souza, esclarece que se trata de uma obra de rede de esgoto realizada pela Sabesp, que visa a melhorar a condição e qualidade de vida da população do entorno. Diz que, de acordo com a concessionária, em breve a intervenção estará concluída. Cruzamento perigoso Peço o monitoramento permanente da Avenida Brigadeiro Faria Lima com a Alameda Gabriel Monteiro da Silva, como também em frente ao Shopping Iguatemi, no Jardim Paulistano. Moro nesse cruzamento há 10 anos e não consigo descansar por causa das batidas, dos rachas, das freadas bruscas, etc. O local precisa de câmeras, radares de semáforos e de velocidade durante as 24 horas do dia, além de inspeções dos agentes da CET e de policiais à noite, para evitar, principalmente, o aumento das estatísticas de um dos maiores problemas de São Paulo: os acidentes de trânsito. Não aguento mais viver num quarteirão onde há diversos acidentes por semana por causa da imprudência de maus motoristas. SAMANTHA MESTER São Paulo Adele Nabhan, do Departamento de Imprensa da CET, esclarece que a companhia melhorou a distribuição dos tempos semafóricos e reduziu a ociosidade do verde da Alameda Gabriel Monteiro da Silva, contribuindo para a redução do desrespeito ao semáforo vermelho. Acrescenta que o cruzamento da Avenida Brigadeiro Faria Lima com a Alameda Gabriel Monteiro da Silva integra o programa de fiscalização periódica da companhia, sendo monitorado diariamente com o objetivo de coibir infrações como as relatadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.