Cartas

Tráfego em rua do Tatuapé aumentou, e veículos pesados estragaram o solo

O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2018 | 00h00

Recapeamento e desnívelMoro na Rua Sabatino Nastari, no Tatuapé. Antigamente, apesar de itinerário de várias linhas de ônibus, a rua não tinha grande movimento, mas agora ela é usada como fuga do trânsito para acesso à Marginal do Tietê, pela Ponte do Tatuapé, e à Av. Salim Farah Maluf. O trânsito de caminhões e veículos pesados fez ondulações no asfalto que fazem vibrar até as paredes das casas! Tive de refazer o piso da sala, mas as rachaduras reaparecem. Há cinco anos, já, que nas casas entre as ruas André Lamas e Maria Eugênia o asfalto está elevado devido a um reparo malfeito de meio metro de altura! Os carros que passam em velocidade pela rua provocam mais vibrações, e ouvimos o ruído das freadas e derrapagens. Peço à Prefeitura que recapeie a Rua Sabatino Nastari, consertando a elevação comunicada e sinalizando a rua adequadamente, com placas de limite de velocidade, pois já houve um atropelamento fatal no lugar.MARCOS RAGAZZITatuapéA CET responde:''''A Rua Sabatino Nastari está sinalizada com regulamentação de velocidade e advertência de curva na pista. Reforçaremos a sinalização que regulamenta a velocidade, com um projeto já elaborado para o local cujo objetivo é melhorar as condições de segurança para moradores e usuários da rua.''''ROBERTO SCARINGELLAPresidenteNo dia 11, o leitor reiterou que a rua necessita de recapeamento, e que o desnível de meio metro no asfalto aumentou bastante nos últimos três anos.Carta 19.104Extravios no correioO Correio, unidade de Caxias do Sul (RS), extraviou um dos mostruários de produtos de minha empresa, Malharia Datricot. Com isso, perdemos vendas para clientes que já estavam agendadas, e corremos o risco de sofrer danos com a cópia dos produtos. Há três dias (carta de 28/8) não temos informações do sedex sob responsabilidade do correio. Nosso mostruário levou três meses para ser desenvolvido. Não temos como repor o dinheiro perdido, nem mudar a imagem de não cumprir com os prazos prometidos. Somos uma microempresa brasileira que faz o possível - e o impossível - para sobreviver, apesar dos altos e baixos de um mercado que sofre com a concorrência chinesa, com as altas taxas, e com a instabilidade da nossa economia.ALEXANDRO ANDRÉ DALL AGNOLCaxias do Sul/RSOs Correios respondem:''''O cliente Malharia Datricot postou dois objetos na agência terceirizada de Caxias do Sul em 23/8, na modalidade sedex, com destino a Rio de Janeiro e São Paulo. Atrasamos a entrega porque a Receita Estadual reteve os pacotes para fiscalização entre os dias 24 a 28/8. Após a liberação dos objetos, a ECT os entregou no destino pedido pelo cliente no prazo normal de entrega do sedex. Quando a situação foi resolvida, contatamos o cliente e esclarecemos os fatos.''''Eu deveria receber uma encomenda internacional sete dias após o envio. Todas as taxas foram pagas, inclusive com seguro, mas até hoje, 14 dias depois (carta do dia 5), não a recebi. Contatei a empresa que postou a remessa e informaram que a carga veio para o Brasil no dia seguinte. A ECT apenas diz que ''''não sabe o que ocorreu''''. Abri um protocolo de reclamação, e o prazo que me deram para tentar rastrear a mercadoria e verificar o que aconteceu é de 30 dias úteis. A Ouvidoria do correio informa nada poder fazer até esse prazo se esgotar. Quem é que vai arcar com os danos e prejuízos diários que a falta da encomenda me acarreta?IVAN DOUGLAS S. CAMPOSCapitalA ECT responde:''''O cliente formalizou o pedido de informação sobre a encomenda no dia 4/9. Quando chegam ao Brasil, as remessas vindas do exterior são submetidas a um procedimento formal de desembaraço sobre o qual não há possibilidade de intervenção dos Correios. O desembaraço aduaneiro ocorre apenas quando a Receita Federal libera um produto importado após verificá-lo. É um procedimento de rotina, sob a responsabilidade da Secretaria da Receita Federal. Apesar de mantermos recintos alfandegários nas nossas dependências, esse fato não outorga à nossa instituição autoridade sobre as remessas durante o processo de fiscalização alfandegária. Ontem, dia 10, a encomenda em questão foi liberada pela Alfândega, e hoje (dia 11) pela manhã o carteiro do Centro de Entregas de Encomendas Vila Guilhermina saiu para fazer a entrega da encomenda no endereço indicado.''''Correspondência para São Paulo Reclama: e-mails para sprec@estado.com.br; cartas para Av. Eng.º Caetano Álvares, 55, 6.º, CEP 02598-900 ou fax 3856-2929, com nome, end., RG e tel., a/c de CECILIA THOMPSON, podendo ser resumidas a critério do jornal. Cartas sem esses dados não serão consideradas. As respostas não publicadas serão enviadas pelo correio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.