Cartas

Se as motoristas não lhe derem dinheiro, ele agride e risca o carro

O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2020 | 00h00

Indigente agride motoristas No farol do cruzamento da Avenida Jandira com a Ibirapuera, um indigente que usa muletas pede dinheiro aos motoristas que esperam o sinal abrir, mas se uma mulher não der dinheiro, ele xinga, cospe no rosto da motorista e bate com a muleta no carro. Dia 14/8 sofri essas agressões e tive o carro riscado. Testemunhas disseram que ele só faz isso com mulheres. Quando a polícia chegou, soube que eu só poderia fazer queixa por danos materiais. Não estou interessada em processar o mendigo por isso, mas denuncio o fato para proteger futuras vítimas. ANA FIGUEIREDO Moema A Polícia Militar responde: ''''Fizemos rondas na área e não encontramos o indigente de muletas, mas os taxistas confirmaram que ele age no lugar. Orientamos os policiais da região e desde o dia 11 uma dupla de policiais faz policiamento ostensivo a pé, para coibir sua ação. O policiamento local foi intensificado, com rádio-patrulha e motos, e a Ronda Escolar foi orientada a agir. Quem vir irregularidades ou desconfiar de algo, pode denunciar pelo 190, Disque PM (0800) 0555-190, Disque Denúncia 181 ou Fale Conosco PM (www.polmil.sp.gov.br).'''' Dia 28/6, fui assaltada na Rua Monte Belo, às 7h30, perto da Avenida Nova Cantareira, por dois homens de moto. O que estava na garupa desceu e levou minha bolsa. Fiz BO no 20.º DP da Água Fria. Na semana seguinte, roubaram uma vizinha no mesmo lugar às 7 horas. Talvez seja a mesma dupla. MARGARET SANCHES Capital Carta 19.110 Extravio no correio Em abril, enviei pelo correio (Exporta Fácil) um traje de gala e sapatos de grife, de alto valor, para a França, pois minha filha receberia um prêmio, representando o Brasil, no curso de design que faz em Paris. Ninguém no correio avisou que seria necessário fazer seguro ou que haveria risco de extravio. E ela não recebeu a encomenda. Quatro meses depois, a ECT desistiu de procurar o vestido, e me ofereceu R$ 100 de reembolso - quantia que não paga nem a embalagem. Uma instituição governamental que gasta milhões em campanhas publicitárias não pode ser tão irresponsável. E para eles é mais barato se livrar da responsabilidade alegando que o cliente deveria ter providenciado um seguro. SUELY M. ROSSI Capital A ECT responde: ''''D. Suely postou em 18/4 uma encomenda que chegou ao destino (Paris, França) no dia seguinte às 19h25. No dia 4/5 consultamos a Administração Postal Francesa para nos informarmos sobre a entrega, mas o Correio francês não faz rastreamento eletrônico para 100% dos objetos postais. O país dá um prazo de 60 dias para informar o destino da correspondência, segundo determina a União Postal Universal, órgão da ONU que regula os principais aspectos das relações entre os correios de todo o mundo. Apesar do esforço, não foi possível confirmar a devolução ou entrega da encomenda. No dia 23/7, informamos a d. Suely o processo de retratação financeira e enviamos R$ 188 (88 do preço postal pago e 100 do seguro automático) para a agência Itaim Bibi. A cliente retirou a quantia em 21/8. Segundo o item 8.3.1 do formulário de postagem AWB, em caso de perda, furto ou avaria total de objetos pessoais internacionais sob responsabilidade do correio, o valor reembolsado ao cliente se refere ao preço postal e ao valor do seguro automático, que varia de acordo com a modalidade do serviço, acrescido do valor segurado pelo remetente. No item 10.2, consta que, se o remetente não fizer seguro para os objetos postais internacionais, estará assumindo todos os riscos decorrentes da perda ou de danos no objeto, passando a ter apenas direito ao seguro automático oferecido pela própria empresa.'''' Carta 19.111 Falta de iluminação Há muito tempo que a Avenida da Invernada, na Vila Congonhas, está sem iluminação. O zelador fez pedido, pelo 156, para o Ilume acender as lâmpadas; o prazo dado foi de 15 dias, mas o conserto só durou dois ou três dias. O problema não é com uma lâmpada, mas na quadra onde fica o condomínio. Por causa da escuridão, sofremos com assaltos e carros arrombados durante a noite - mesmo tendo um batalhão da Polícia Militar próximo ao local. VÂNIA M. RIBEIRO PALHARES Vila Congonhas A Secr. de Serviços responde: ''''No dia 27/8, uma equipe do Ilume substituiu as lâmpadas e normalizou a situação da avenida.'''' Correspondência para São Paulo Reclama: e-mails para sprec@estado.com.br; cartas para Av. Eng.º Caetano Álvares, 55, 6.º, CEP 02598-900 ou fax 3856-2929, com nome, end., RG e tel., a/c de CECILIA THOMPSON, podendo ser resumidas a critério do jornal. Cartas sem esses dados não serão consideradas. As respostas não publicadas serão enviadas pelo correio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.