Cartas

Carta 19.172 CLiente reclama de preços Acabo de receber ligação do Pão de Açúcar tentando desmentir os preços extorsivos que observo nas lojas do grupo e me dissuadir da minha constatação, que é baseada em fatos, não em opiniões (lucros acima de 70% para o grupo, jamais repassados aos consumidores com uma baixa de preços de 1% que seja). Pelo contrário, os preços não param de subir (100% no leite e derivados), fora a maquiagem de quantidades nas embalagens em gramas de dezenas de produtos, enganando os incautos consumidores brasileiros que culturalmente têm vergonha de reclamar, com medo de serem taxados de pobres ou muquiranas. O monopólio do Grupo Pão de Açúcar (Extra, Bom Preço, Compre bem, Barateiro) é campeão de preços inflacionários e extorsivos. O SDE e o Cade, que atuam contra Ambev e Nestlé, desconhecem as práticas abusivas do grupo. O ser humano tem de se alimentar, mas não só de cerveja e chocolate. MICHAEL A. ZIEMINSKI Moema O Pão de Açúcar responde: "O Grupo Pão de Açúcar tem como missão oferecer aos seus clientes a melhor experiência de compra em cada uma de suas lojas. A empresa mantém formatos diferenciados de super e hipermercados, que visam atender aos mais variados perfis de consumidores. Todas as lojas têm como princípio a prática de preços competitivos, ajustados com o mercado e às características de cada formato. A empresa respeita e agradece as manifestações dos seus clientes, que servem como oportunidade constante de melhoria de sua operação, produtos e serviços." Carta 19.173 Cobrança indevida Tenho cartão Carrefour e sou cliente da rede, mas passaram a me cobrar R$ 7,50 pelo seguro-compras. Após muita insistência consegui o cancelamento, mas eles não vão ressarcir o valor da primeira prestação, embutida na fatura de agosto. Apesar de ser uma quantia irrisória, não posso deixar de exercer meu papel de cidadão e denunciar essa arbitrariedade. WALTER MARTINS Vila Sônia O Carrefour responde: "Contatamos o leitor e esclarecemos o caso. Cancelamos o seguro Conta Paga e estornamos os valores cobrados." Carta 19.174 Tomates estragados Tenho constatado a má qualidade de alguns produtos no Hortifruti Natural da Terra de Moema. Hoje (carta de 17/8) separei vários tomates estragados e disse ao gerente duvidar que quem arrumou a banca não tenha visto tantos tomates estragados e sem qualidade, mas ele os pegou e devolveu à banca, dizendo: "A ordem do dono é deixar aqui, a senhora escolhe". Será esse o tratamento certo para um lugar que agrega ao produto o preço da qualidade que diz oferecer? MARIÂNGELA S. FRAGATA Indianópolis O Natural da Terra responde: "Temos como política oferecer produtos de qualidade a preços justos e jamais nos distanciaremos dessas diretrizes. Por estarmos envolvidos em todos os processos da empresa e termos profissionais com mais de 30 anos de experiência, garantimos a melhor procedência e testamos a qualidade com os fornecedores. Na loja, temos uma equipe de nutricionistas para acompanhamento dos processos, com o cuidado de garantir aos consumidores produtos sempre frescos. Lamentamos o ocorrido com a leitora e reafirmamos que essa não é a política adotada por nós. O gerente referido já não faz mais parte da empresa, pois nenhum diretor desrespeitaria um cliente oferecendo produtos de qualidade questionável." FABIANA MARIN Gerente de marketing Carta 19.175 Comprovante de compra A rede de Supermercados Dia, principalmente a loja da Rua Santo Antônio (Bela Vista), não entrega aos clientes os comprovantes das transações com cartão de crédito, como determina a lei. Será que é para economizar papel? Ou é somente, falta de respeito para com o consumidor? MARCEL GOMES DA ROCHA Bela Vista A Rede Dia responde: "Emitimos comprovante para todos os clientes. Quando o pagamento por cartão (de crédito ou débito) é feito no caixa, o comprovante sai depois do fechamento da compra. Isso significa que todos os dados do pagamento, incluindo o nome da administradora, o código de autorização e o tipo de venda e valor, ficam no final do ticket. "

O Estadao de S.Paulo

13 Outubro 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.