Casa Civil exige solução para problemas de atrasos em vôos

A Casa Civil da Presidência da República determinou que se adotem "todas as medidas necessárias para sanar, no menor espaço de tempo, o problema do atraso nos horários dos vôos nos aeroportos brasileiros". A informação está em nota oficial divulgada no início da noite desta segunda-feira, 13, pela Casa Civil. Durante a tarde, a crise nos aeroportos foi discutida em uma reunião no Palácio do Planalto coma ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e representantes do Ministério daDefesa, Infraero, e Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).Os atrasos nos vôos em todo o País voltaram a atormentar passageiros e funcionários de companhias aéreas no domingo e nesta segunda. Conforme balanço parcial da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), que administra 68 aeroportos brasileiros, entre a meia-noite até as 19h30 de segunda, 42,3% dos 1.487 vôos programados para o período partiram com atrasos para seus destinos. Isso significava 629 vôos atrasados. A Infraero registrou todos os atrasos superiores a 15 minutos, seja por motivos técnicos (das companhias aéreas), por razões climáticas ou como resultado do controle de fluxo aéreo pelo Comando da Aeronáutica realizado no domingo. Nesta segunda, de acordo com a assessoria da Aeronáutica, não houve determinação para retenções em solo das partidas por causa de congestionamento no tráfego. No domingo, essa decisão foi tomada - o que ocasionou autorizações de partidas a cada dez ou quinze minutos durante um tempo - por causa da ausência nos postos de trabalho de dois controladores de vôo que faltaram por motivos de saúde. Os atrasos ganham número expressivo por causa do efeito cascata desencadeado pelas conexões e escalas programadas para os vôos, especialmente os que partem dos Estados do Sul e Sudeste para o Nordeste. Ao longo de todo o domingo, a Infraero registrou que haviam 1.567 vôos programados, dos quais 670 ou 42,2% sofreram atrasos superiores a 15 minutos, e 49 foram cancelados. A expectativa para terça e quarta-feira, quando se comemora o Dia da Proclamação da República, é de mais congestionamento nos aeroportos do País. A Infraero, no entanto, não aposta num grau de caos tão elevado como o registrado no feriado prolongado do Dia de Finados, em 2 de novembro, porque naquela ocasião o feriado caiu numa quinta-feira, o que permitiu haver um período de quatro dias de folgas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.