Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Casa comprada com dinheiro de roubo ao BC é vendida

Uma das casas compradas com dinheiro do roubo de R$ 164,7 milhões do caixa forte do Banco Central (BC) de Fortaleza, em agosto de 2005, foi vendida na quarta-feira, 28, por um estelionatário. Ele conseguiu uma procuração do assaltante Antônio Edimar Bezerra, um dos acusados de roubar o BC.Mesmo preso no Instituto Penal Professor Olavo Oliveira (IPPOO), presídio de segurança máxima do Ceará, Edimar passou a autorização para o estelionatário vender a casa, que fica na Avenida Perimetral, no bairro Mondubim, na periferia de Fortaleza.Edimar tinha comprado a casa para enterrar R$ 12,3 milhões, encontrados em setembro de 2005, um mês e meio depois da descoberta do túnel de 78 metros por onde saíram os R$ 164,7 milhões. Na ocasião, a Polícia Federal (PF) prendeu Edimar e mais três pessoas.A casa foi então seqüestrada e lacrada pela Justiça Federal. Mas na quarta-feira um comprador pagou R$ 100 mil pelo imóvel, após ler um anúncio de venda nos classificados dos jornais cearenses. Quando ele (nome não revelado pelaPolícia) foi receber a escritura do imóvel, no cartório do Mondubim, recebeu a informação que o imóvel estava seqüestrado.A Polícia foi acionada por ele e chegou ao estelionatário, um senhor de 65 anos que está preso e não teve o nome revelado. O comprador não foi detido porque, segundo a polícia, ele agiu de boa fé ao adquirir a casa. Agora ele aguarda a recuperação dos R$ 100 mil pagos, que ainda não foram devolvidos pelo estelionatário.A Justiça Federal seqüestrou ainda outra casa no bairro Luciano Cavalcante, área nobre de Fortaleza, que teria sido comprada com o dinheiro do roubo do BC. Trata-se de uma mansão avaliada em R$ 250 mil, onde foi feita parte da partilha do roubo. Na casa pelo menos dez carros de luxo foram recheados de dinheiro na lataria. Os carros foram interceptados em Minas Gerais, quando estavam a caminho de São Paulo, transportados por um caminhão cegonha, levando mais de R$ 5 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.