Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Casa de estudante que matou avó e empregada é pichada

Vândalos picharam nesta terça-feira a casa em que o estudante Gustavo de Macedo Pereira Napolitano, de 22 anos, matou a avó Vera Kuhn Pereira, de 73, e a empregada Cleide Ferreira da Silva, de 20, um sobrado de classe média na Alameda dos Maruás, no Planalto Paulista, zona sul de São Paulo. De acordo com o delegado Enjolras Rello de Araújo, titular do 27.º Distrito Policial, os pichadores escreveram palavras "ofensivas ao autor do crime". A ação dos vândalos ocorreu na madrugada. Vizinhos da casa chamaram a Polícia Militar, que chegou a deter três adolescentes suspeitos, que foram liberados em seguida por falta de provas. "Soubemos que a família de Gustavo contratou uma empresa de segurança para evitar novos danos à residência", afirmou o delegado do 27.º DP. Gustavo, que confessou ter cometido o crime no domingo enquanto consumia um total de 26 papelotes de cocaína, foi transferido ontem da cadeia do 27.º DP para a carceragem do 8.º DP, no Brás (região central). Essa cadeia é reservada para ex-policiais e guardas-civis - Gustavo foi estudante de direito e é neto do delegado Murilo de Macedo Pereira, já falecido. Na semana passada, pichações semelhantes foram feitas na casa do casal von Richthofen, assassinado pela filha, Suzane Luoise, pelo namorado da moça e pelo irmão deste.

Agencia Estado,

27 de novembro de 2002 | 02h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.