Casal brasileiro é acusado de matar amigo no Japão

Um casal de brasileiros foi preso pela polícia japonesa acusado de assassinar o comerciante Emerson Tanoue, também brasileiro, de 33 anos. Emerson foi morto no dia 29 de dezembro com uma facada nas costas em seu apartamento, na cidade de Toykawa. Nesta sexta-feira, a polícia prendeu o operário Fabrício Rogério Aparecido, 32 anos, e a mulher dele, Lucinéia Keiko Hayashi, de 36 anos, como autores do homicídio.Familiares de Emerson seriam informados oficialmente da prisão do casal pela polícia japonesa na manhã deste sábado (noite de sexta no Brasil). De acordo com Antônio Tanoue, tio de Emerson, Fabrício Rogério era amigo e freqüentava a casa do seu sobrinho. Já Lucinéia é amiga de Mara Maekawa Tanoue, 31 anos, esposa de Emerson, de quem ele estaria se separando. Mara tinha vindo ao Brasil um mês antes da morte de Emerson para ter o segundo filho do casal. Emerson, no entanto, já estava morando com uma outra moça, de 20 anos, que na noite de sua morte, estava fora.A polícia apurou que na noite do homicídio a jovem tinha saído, em companhia do filho de Emerson, para jantar com Lucinéia, a convite desta. Rodrigo Rogério teria se aproveitado da ausência de testemunhas para entrar no apartamento e esfaquear Emerson pelas costas, matando-o.De acordo com Antônio Tanoue, a família não tem idéia dos motivos que teriam levado o casal a praticar o crime. "A gente nem sabe se foram realmente eles, mas acreditamos que a polícia japonesa vá fazer justiça", disse. No entanto, um parente do rapaz, que não quis ser identificado, disse desconfiar da participação de mais uma pessoa na morte do rapaz, mas não apontou o nome.Emerson era natural de Penápolis, interior de São Paulo, morava no Japão havia 14 anos, mas tinha intenção de voltar ao Brasil dentro de dois anos. Filho de descendentes japoneses, Emerson, aos 19 anos, foi ganhar a vida no Japão.Trabalhou de metalúrgico até conseguir dinheiro para montar, há cerca de três anos, um estúdio/locadora, que funcionava no seu apartamento numa sobreloja. Lá, ele gravava DVDs de programas da TV do Brasil e os alugava para a comunidade de dekasseguis brasileira no Japão, até ser assassinado em 29 de dezembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.