Casal e 2 filhas são mortos em SP

Empresário e a mulher foram baleados em Americana e as meninas, encontradas estranguladas em estrada

Tatiana Favaro, AMERICANA, O Estadao de S.Paulo

16 de janeiro de 2009 | 00h00

Um casal e duas meninas, de 2 e 8 anos, foram mortos entre a noite de anteontem e a madrugada de ontem no interior de São Paulo. O empresário Robson Douglas Tempesta, de 39 anos, e sua mulher, Ana Paula Duca Tempesta, de 31 anos, foram atingidos por tiros na noite de anteontem no escritório em que trabalhavam, em Americana (a 128 quilômetros de São Paulo). As filhas do casal, que estavam com os pais e desapareceram na noite de quarta-feira, foram encontradas mortas na manhã de ontem, com sinais de estrangulamento, na cidade vizinha de Elias Fausto. Os corpos estavam às margens da Rodovia Hélio Stefin.Até o fim da tarde de ontem ninguém havia sido preso. De acordo com o delegado seccional de Americana, João José Dutra, a hipótese mais provável é de crime motivado por vingança ou cobrança de dívidas. "O rapaz tinha negócios mal resolvidos e isso fez com que ele tivesse desafetos na cidade", afirmou. Dutra informou que Tempesta trabalhava no ramo de shows, com exibição de performances em veículos como caminhonetes, em arenas de grandes eventos - big foot.Contra Tempesta há ao menos dois inquéritos policiais abertos, por suposto crime de estelionato. Segundo informações do Tribunal de Justiça de São Paulo, há dez processos cíveis em que o empresário é réu. Segundo a Polícia Civil, o casal teria sido morto entre 18 e 20 horas de anteontem. O delegado seccional não tinha informações sobre possíveis testemunhas. "Era uma noite muito chuvosa e ainda não temos testemunhas. Ou as pessoas não viram nem ouviram, ou estão ainda com medo de se apresentar."Um funcionário da empresa, cujo nome foi preservado, disse que foi ao local à noite porque tinha um encontro marcado com o empresário. "Ao chegar, verificou que o lugar estava trancado, mas com a luz acesa. Ao conseguir abrir a porta, encontrou os corpos", afirmou Dutra. O delegado disse que o funcionário sabia que as crianças estavam com o casal, mas quando entrou, não as encontrou. A polícia informou que Tempesta tinha 12 perfurações de bala e sua mulher, três. Os tiros acertaram cabeça, tronco e membros das vítimas. Os corpos das duas meninas foram encontrados às 6h40 de ontem.CHOQUEOs moradores de Americana disseram estar assustados. "É um crime bárbaro. Pode até ser que ele tivesse problemas nos negócios, mas isso não é motivo para alguém fazer esse tipo de coisa com uma família inteira", afirmou um vizinho, que não quis se identificar. "Nunca ouvimos nenhuma briga nem percebemos nenhuma movimentação estranha perto da casa da família", disse uma moradora da Vila Lourecilda, onde morava a família de Tempesta.Uma prima de Tempesta, que não quis se identificar, disse desconhecer possíveis desafetos do primo. "Já me perguntaram até se poderia ser algo relacionado a tráfico de drogas, mas isso a gente tem certeza de que não era. É muito dolorido, foi um dia maçante, mas sabemos que é provavelmente algo pessoal, apesar de que nada justifica essa brutalidade", disse. "Pelo que parece, nada foi roubado, e até agora temos as mesmas informações que a polícia de que só o funcionário esteve no local após o crime."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.