Casal é flagrado tentando vender filha de dois anos em Pernambuco

Mulher desconfiou de anúncio de adoção no Facebook, fingiu que queria fechar negócio e avisou a polícia

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

18 Setembro 2013 | 12h26

RECIFE - Um casal foi preso na noite dessa terça-feira, 17, em uma estação do metrô de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife, ao tentar vender a filha de dois anos por R$ 1,5 mil e um notebook. A transação foi feita pela internet, via Facebook, por uma mulher de Campina Grande (PB), que denunciou o crime à polícia e ao Ministério Público da Paraíba.

Ela disse ter estranhado ao ver um anúncio postado na sexta-feira, 13, em uma página de orientação sobre adoções, na qual a moradora de Jaboatão oferecia uma filha para adoção. Desconfiada, começou a conversar com a mãe, que insinuou querer dinheiro em troca da criança. A primeira oferta da mãe foi de R$ 5 mil. Feita a negociação e combinado o ponto de entrega da criança, a mulher fez a denúncia e as polícias da Paraíba e de Pernambuco armaram o flagrante.

De acordo com o delegado do Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente de Pernambuco, Geraldo Costa, primeiro apareceu a mãe da criança, que conversou com a suposta compradora. Depois veio o pai com a menina. Os policiais fizeram a prisão. Ele foi encaminhado para o presídio Cotel e ela para o Bom Pastor. A criança foi levada ao abrigo do conselho tutelar de Jaboatão.

O casal é carioca e estava morando em Jaboatão desde setembro do ano passado. Ele tem 40 anos, trabalhava informalmente como mototaxista e, de acordo com o delegado, é foragido da polícia do Rio de Janeiro, onde havia sido condenado a 17 anos de prisão por extorsão. Ela tem 23 anos e é manicure.

Eles tinham mais dois filhos - um já havia sido doado e outra, de cinco anos, estava sendo cuidada pela irmã por parte de pai, de 18 anos. Esta moça será ouvida à tarde pela polícia, que instaurou inquérito. O casal poderá ser condenado a uma pena de um a quatro anos de prisão pela tentativa de venda da criança.

Mais conteúdo sobre:
adoçãovender filhapernambuco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.