Casal japonês vendia explosivos e munição

Na lojinha do casal Takuro Kawamoto, de 64 anos, e Toshiko Kawamoto, de 61 anos, em Santana de Parnaíba, na Grande São Paulo, as pessoas podiam comprar carrinhos de plástico, bacias, chaves de fenda e todo tipo de cacareco por apenas R$ 1,99.Mas também era possível comprar explosivos e munição de diversos calibres. Na manhã desta sexta-feira, o casal foi preso em flagrante por manter e comercializar farto material explosivo. "Só vende produto. Tudo legal, né?", limitaram-se a dizer os acusados à polícia.Velhinhos japonesesA suspeita sobre o casal surgiu há cerca de um mês, quando os policiais da Delegacia de Santana de Parnaíba prenderam um acusado de homicídio. Segundo o delegado titular do distrito, Luiz Roberto Faria Hellmeister, o preso afirmou que comprara a munição numa loja de R$ 1,99 de uns "velhinhos japoneses", no bairro Cidade de São Pedro - que fica na divisa com o município de Cajamar."Nós iniciamos a apuração, mas tivemos cuidado por causa da idade deles e também porque a informação podia ser falsa", explicou o delegado. "Inicialmente, não acreditávamos que um casal de idosos, ainda orientais, que costumam ser tão corretos, estivesse vendendo munição para criminosos", completou.Movimento estranhoDurante as investigações, os policiais de Santana de Parnaíba começaram a estranhar o movimento na loja, considerado suspeito. Na manhã desta sexta, os policiais invadiram o local enquanto uma pessoa tentava comprar munição. "Foi logo cedo. Na hora que malandro pensa que a polícia está dormindo", disse Hellmeister.No local, foram apreendidos 2.644 estojos de munição para diversos calibres (pistolas, revólveres e espingardas), 24 mil unidades de chumbinho, 2,5 quilos de pólvora química, 3,7 quilos de pólvora negra, cerca de 20 quilos de chumbo para munição, 6,9 mil espoletas e um revólver calibre 22.O volume do material apreendido fez com que a polícia tivesse certeza de que, além de vender a munição, o casal ainda recarregava cápsulas. A venda das cápsulas também podia ser feita por unidade.PanetoneDurante a tarde desta sexta, na elaboração do flagrante, os policiais receberam ainda uma informação de que um grande volume de dinheiro estaria escondido na loja - o casal morava no mesmo local. "Havia a suspeita de que eles vendiam armas também", disse o delegado.Dentro de uma lata de panetone, os investigadores encontraram R$ 30 mil em dinheiro. Mas os advogados do casal apresentaram documentos da venda de um imóvel, o que explicaria o dinheiro guardado na lata.Ao final, Hellmeister decidiu indiciar Takuro e Toshiko em flagrante por crimes de porte e fabricação de material explosivo, cuja pena vai de 2 a 4 anos de reclusão. Como o crime é inafiançável, o casal permanecerá preso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.