Casal que fotografou filhas nuas é investigado por pedofilia

Tirar fotos dos filhos pequenos sem roupas, prática comum entre os casais mais liberais, pode ser considerado pedofilia? É o que a Polícia Civil de Sorocaba, a 92 quilômetros de Sorocaba, tenta responder através de um inquérito policial aberto na última terça-feira pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM). Os investigados são o aposentado L.L.F., de 45 anos, e sua mulher E.C.F., de 41. Tudo começou quando as fotos de duas meninas sem roupas caíram nas mãos do funcionário de um laboratório fotográfico, na região central da cidade. Em 31 fotos, as irmãs de 3 e 8 anos apareciam completamente nuas ou só de calcinhas, no interior de uma casa. Em algumas imagens, apareciam também o aposentado e sua mulher. O funcionário achou estranhas as imagens e entrou em contato com a Polícia Militar. Os policiais detiveram C.R., um amigo do aposentado, que foi ao laboratório retirar as fotos. Em seguida, o casal também foi detido. L.L.F. é pai apenas da menina mais nova, sendo padrasto da garota de 8 anos. A mãe alegou que as fotos "não têm nada de anormal". Disse que é costume do casal ficar nu na frente das filhas que, também, têm o hábito de tomar banho com os pais, sem qualquer malícia. "Tiramos algumas fotos no banho e na piscina, tudo de maneira natural. Acho que isso não prejudica minhas filhas." A delegada Daniela Lara Góes instaurou o inquérito, depois de ouvir e liberar os envolvidos, mas adiantou que ainda não há indícios de pedofilia. O crime se caracteriza, segundo ela, se houver conotação sexual no caso, ou se as fotos se destinassem à distribuição ou venda. De qualquer forma, o casal pode ser enquadrado em artigos do Estatuto da Criança e do Adolescente por expor imagens de crianças nuas, já que terceiros tiveram acesso às fotos. O Conselho Tutelar determinou a remoção das crianças até o término do inquérito. Para o conselheiro Yuri Gonzáles, as meninas fizeram poses para algumas fotos. Na sua avaliação, o ambiente familiar permissivo não favorece a formação das crianças. A menina mais nova foi levada para a casa dos avós maternos e a mais velha, para a residência do pai, na cidade de Mairinque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.