Juana Diniz/ Facebook
Juana Diniz/ Facebook

Cão roubado na porta de um supermercado em SP é encontrado na Cracolândia

Polícia ainda procura autores do crime; casos semelhantes ocorrem em outras cidades brasileiras; muitos donos prestam queixa à polícia e buscam o auxílio de redes sociais para resgatar os pets

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2019 | 10h58
Atualizado 10 de abril de 2019 | 11h51

SÃO PAULO -  Depois de quase uma semana de desespero com o roubo de seu cachorrinho Café na porta do supermercado Minuto Pão de Açúcar, localizado na Rua Muniz de Souza, no bairro Aclimação, no centro da capital paulista, a professora universitária Juana Diniz, de 44 anos, emociona-se com o reencontro. O filhote Shih Tzu foi entregue na tarde desta terça-feira, 9, pela Polícia Civil.

"Temos um final feliz. O Café voltou para casa. Agradeço a todos pelo apoio", comemorou Juana Diniz. Passado o susto, em casa, a alegria é contagiante com o retorno do filhote em segurança. Café fará um ano no próximo dia 21 e poderá celebrar o aniversário e o feliz reencontro com a família. 

Por volta das 15h desta terça-feira, a investigadora do 6º DP (Cambuci), Daliane Saroba, e sua equipe foram até um hotel na Rua Barão de Piracicaba, 223, na região da Cracolândia. 

"A dona do cachorrinho recebeu uma ligação de que o Café estava na Cracolândia e nos avisou. O dono do hotel viu reportagens e reconheceu o filhote. Confirmamos que o cachorro estava com ele. Fomos em quatro equipes até o hotel na Cracolândia", disse a investigadora.

Ao chegar ao hotel, o dono do estabelecimento apenas contou, sem dar detalhes, que havia comprado o cachorrinho de um terceiro por R$ 400. "Não informou nada sobre os autores do crime. Como o filhote estava sendo oferecido na Cracolândia, ficou com pena e o comprou. Ao ser questionado, ele se confundiu com as respostas, algumas vezes. Ainda mantemos as investigações para localizar os autores do roubo", destacou Saroba.

A investigadora explica que o cãozinho estava bastante assustado no momento em que ela o pegou no colo. Veio se escondendo no trajeto de carro até a delegacia. No 6º DP, a dona do Café o aguardava ansiosamente. "Quando o pegamos, ele estava com medo e querendo se esconder. Mas foi imediato. Assim que chegamos e ele viu a mãe, foi uma festa. Não precisamos de mais nada para comprovar que era mesmo sua dona. Para a Polícia Civil de São Paulo, vida é vida, toda vida tem valor, não importa se é ser humano ou animal. Até atrás de celular e carro, nós vamos atrás. Eu tenho cachorro e meu parceiro também. É um membro da família", reforçou Saroba.

Depois de analisar as imagens das câmeras fornecidas pelo supermercado, a polícia viu que se tratava de um furto de oportunidade e permitiu que Juana Diniz divulgasse em redes sociais. As investigações, porém, continuam porque os autores do crime ainda não foram localizados.

No último dia 4, a professora universitária foi ao supermercado Minuto Pão de Açúcar com seu cachorrinho Café. Como de costume, deixou o cão Shih Tzu preso em uma barra onde ficam os carrinhos de compra em frente à porta de entrada da loja. Não imaginava que quando voltasse, o filhote não estaria no mesmo lugar.

"Tem um espaço para deixar cachorros, mas fica na lateral, por isso eu deixo na barra de carrinhos que fica bem na entrada. Além disso, não tem vigilante na porta, essa é a grande questão", disse Juana.

Ela lembra que chegou ao estabelecimento por volta das 19h. "Deixei o carro em um posto de gasolina para trocar o óleo. Como ia demorar, aproveitei para comprar maçãs. Não fiquei nem 10 minutos dentro da loja", falou.

O desespero veio no momento em que a porta automática abriu e Juana viu apenas a guia do Café. 

As imagens divulgadas pelo estabelecimento mostram que um casal a seguiu, pegou o cão e foi embora tranquilamente. Dois clientes aparecem no vídeo saindo no mesmo momento da loja, mas como o filhote é muito dócil, ele não expressou nenhuma reação. "Ele está acostumado a conviver com muitas pessoas, muitos amigos", destacou.

"Não me lembro de nada. Apenas do meu desespero. Comecei a gritar: Café, Café, Café. Não pensei em nada. Achei que tivesse escapado. Aí, algumas pessoas vieram me ajudar e viram que tinham câmeras de segurança. Pedi para os funcionários e vi nas imagens um homem pegando o Café. Ele deve ter aproximadamente 40 anos. A mulher que estava junto com o homem aparece no vídeo segurando o braço dele por duas vezes, mas não é possível saber se tentava impedi-lo ou incentivá-lo a pegar o Café. Perguntei para todos se reconheciam o casal, mas todos negaram", detalhou ainda bastante emocionada.

Juana ligou para a polícia ainda da loja. Uma viatura foi até o local e a acompanhou até uma comunidade da região. "Todos disseram que não sabiam de nada", disse.

Ao chegar em casa, mais uma situação difícil e de desespero. Dar a notícia aos filhos de 8 e de 11 anos. A professora conta que não paravam de chorar. "O Café faz parte da nossa família. A reação dos meus filhos foi péssima. Do meu marido também", afirmou.

No dia seguinte, ela fez o Boletim de Ocorrência (BO) no 6ºDP (Cambuci). Uma equipe está investigando o roubo.

A rotina da casa também foi afetada. "Meus filhos acordam tranquilos, sempre na esperança de que o Café vai retornar nesse dia. Mas à noite, choram bastante. Minha filha até deita na caminha dele. Nosso filhote é muito amoroso. Sempre que alguém chega, pula sem parar até que a gente o pegue no colo", ressaltou ela.

No dia 21 de abril, Café completa um ano e a família mantém os planos de fazer sua festinha de aniversário e comemorar o reencontro.

O Pão de Açúcar esclarece que, tão logo tomou conhecimento do ocorrido, ofereceu total apoio à cliente e mobilizou os funcionários para uma busca pelo animal nas proximidades da loja. "A empresa segue auxiliando nas buscas e, inclusive, já entregou todas as imagens das câmeras de segurança, desde a chegada da cliente, às autoridades policiais para que a investigação seja feita, permanecendo à disposição para auxiliar com outras informações", destacou em nota.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo (SSP), informa que o caso é investigado pelo 6º Distrito Policial (Cambuci). A equipe esteve no local e analisa imagens de câmeras de segurança visando à identificação dos autores e esclarecimento do crime.

OUTROS CASOS

Casos como o do cãozinho Café ocorrem com bastante frequência. O site Pet Perdidos ajuda donos a encontrarem animais de estimação que se perderam, foram abandonados ou roubados. Em cada post, há informações do caso e telefone de contato para resgate. Criado em 2012, o site foi desenvolvido por uma pessoa que é apaixonada por animais, que encontrou um pequeno cão da raça Schnauzer em frente a casa da namorada.

Confira alguns dos relatos no site:

"Lhasa Apso perdido no dia 20 de março às 21h no trevo do bairro Belvedere, em Belo horizonte, em Minas Gerais. Ele pulou do carro no meio do trânsito e sumiu. Tem aproximadamente 1 ano. É branco, está tosado e tem um topete. Preciso muito dele".

"Meu cachorro de um ano fugiu no dia 16 de março, em Santo André, na região metropolitana de São Paulo. Foi visto sendo levado por um homem de carro", destacou Yasmin De Paula em seu post no site Pet Perdidos. O Pretin é um cachorro vira-lata e estava em uma residência na Rua Nova Guiné, no bairro Vila Lucinda, quando fugiu. Ela também fez um post em sua página pessoal do Facebook.

"Yorkshire fêmea roubada no dia 6 de fevereiro, na zona leste de São Paulo".

Além de cachorros, há também gatos, passarinhos e até coelhos perdidos.

"Encontrei uma cachorrinha com coleira rosa sem identificação, porte pequeno, dócil. Apareceu na rua dia 3 de abril, no Parque Oratório, em Santo André, na região metropolitana de São Paulo".

"Calopsita perdida no dia 7 de janeiro próximo ao canal 6 na cidade de Santos, no litoral paulista".

"Em Curitiba, coelho perdido de raça pequena com olhos azuis".

Mais um roubo. No dia 6 de abril, uma residência foi assaltada em São Joaquim, em Santa Catarina, enquanto a dona estava fora. Um filhote da raça Blue Heeler foi levado junto com sua casinha.

Quem tem animal de estimação e o considera parte da família sabe a angústia que a situação pode provocar, especialmente para quem tem crianças que convivem com o bichinho. Muitos donos até oferecem recompensa para ter o integrante da família de volta ao lar.

Por que os cães são roubados? Esta resposta é muito simples e está na ponta da língua da Juliana Camargo, presidente da AMPARA Animal: "o destino dos cães roubados é venda ou mesmo utilização como matrizes, para reprodução". Yorkshire e Shih Tzu são algumas das raças de cães mais roubadas.

Ajuda de grupos nas redes sociais

A analista financeira Paula Gomes de Azevedo, de 29 anos, perdeu seu cachorro Magoo na manhã da última segunda-feira, 8, perto da Rua Bernardino de Campos, no bairro do Campo Belo, na zona sul de São Paulo. Por sorte e auxílio de grupos no Facebook encontrou seu cão da raça Yorkshire.

"Na madrugada anterior, passei mal e fui para o hospital. Meu namorado foi para minha casa pegar minhas coisas e disse que o Magoo não estava em casa. Acho que alguém abriu a minha janela, ele pulou e foi para a rua. Tenho três cachorros e somente o Magoo não estava. Eu liguei para a adestradora dos meus cachorros para ajudar meu namorado. Também pedi alta médica para ver o que tinha acontecido”, disse Paula.

Ela afirmou que no percurso do hospital até sua casa, postou mensagem em grupos que ajudam a encontrar animais perdidos.

“Por volta das 16h, fiz um último post, já sem esperança, na página do Facebook  Cachorro Perdido/Encontrado no Campo Belo, Moema e Planalto Paulista. Foi instantâneo. Mandei a mensagem e recebi uma resposta em meu WhatsApp. Quando vi o print, vi que era meu cachorro. Uma moça estava a caminho do trabalho, quando o encontrou molhado em um supermercado da região. Ela o levou para um Pet Shop que fica próximo”, relatou.

Ao chegar ao Pet Shop, a sensação foi de alívio e gratidão. Já estava até limpinho. “Existem pessoas que estão dispostas a te ajudar. Elas se colocaram em meu lugar, entendem o nosso sentimento pelo animal e se dispuseram a me ajudar. Muito obrigada a todos pelo apoio e dicas. Foi por meio de um dos grupos que achei o Magoo. Graças a Deus”, agradeceu Paula. 

Nesta segunda-feira, a estudante Anna Luiza Oliveira, de 18 anos, também compartilhou nas redes sociais que sua cachorrinha Babalu havia fugido, mas felizmente foi encontrada no mesmo dia algumas horas depois. Ela mora na Rua Americima, na zona leste da capital paulista. 

Anna Luiza Oliveira citou em mensagem que a cadelinha escapou durante forte chuva e que o sobrinho estava em casa chorando porque estava com saudade da cadelinha que faz parte da família. Por sorte, um vizinho achou Babalu e a entregou em segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.