Casas atingidas pelas enchentes são saqueadas no Pará

As fortes chuvas e o transbordamento de grandes rios como Amazonas, Tapajós, Xingu e Tocantins já deixaram 25 mil desabrigados no Pará, segundo estimativas desta quinta-feira, 13, divulgadas pela Defesa Civil no Estado. Residências abandonadas às pressas por causa das águas estão sendo saqueadas. Poucas prisões foram feitas até agora. Os ladrões agem principalmente à noite, levando móveis e eletrodomésticos. Há 18 municípios em estado de emergência e seis pessoas morreram em decorrência das chuvas. As famílias que não têm para onde ir se acomodam em abrigos públicos improvisados, onde recebem alimentos, roupas e água mineral doados pelo governo ou obtidos em coletas feitas nas ruas das principais cidades do Estado. Médicos e voluntários começaram a aplicação de vacinas contra febre tifóide, tétano e diarréia, principalmente em crianças. Em Óbidos, na região oeste, onde o rio Amazonas tem apenas 3 quilômetros de largura, há quatro mil pessoas vítimas das enchentes. A maioria, mesmo correndo risco de contrair doenças, prefere ficar em suas residências com medo de saques. Mais chuva A meteorologia prevê mais chuvas até o final do mês e não descarta a inundação de áreas mais altas, como a orla da cidade de Santarém. O nível do rio Tapajós atingiu nove metros, forçando comerciantes que temem a invasão das águas a remover suas mercadorias. "A cada ano a enchente fica pior. E por aqui, agora, quando não é água em excesso é seca das brabas", comentou o construtor de barcos Antonio Duarte, o Tonico, 67 anos. Ele disse que sua família teme o pior nos próximos dias, porque o rio "parece raivoso e disposto a subir até alagar tudo". O rio Tocantins subiu três metros acima de seu nível normal em Tucuruí, onde 300 famílias desabrigadas estão sendo atendidas pela prefeitura. Há risco de epidemia em Parauapebas, a 150 quilômetros de Marabá. A inundação das casas da cidade, provocada pela subida do rio Vermelho, espalhou lixo e animais mortos pelas ruas. Uma equipe de médicos seguiu de Belém para aquela cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.