Caseiro volta atrás e admite ter matado casal Staheli

O caseiro Jossiel Conceição dos Santos, até agora o principal suspeito de ter assassinado os americanos Todd e Michelle Staheli, voltou atrás mais uma vez e admitiu que cometeu o crime sozinho. A confissão ocorreu na madrugada de ontem, durante nova reconstituição feita na residência do casal, num condomínio na Barra da Tijuca, zona oeste, e repete a primeira história que ele contou à polícia, quando foi preso no dia 1º de abril.A afirmação sobre a confissão do caseiro é de Luci Malta, ex-patroa de Santos e vizinha dos Staheli, mortos em novembro do ano passado, enquanto dormiam. Ela esteve com o caseiro na terça-feira e também participou ontem da reconstituição. "Não há dúvida nenhuma. Não precisava de ninguém para fazer o que ele fez. A casa estava vazia e ele descreveu tudo o que tinha (no dia do crime), sem erro. Estava tranqüilo. Foi de uma memória perfeita", contou ela.Segundo Luci, o caseiro repetiu o que havia feito na primeira reconstituição, no dia em que foi preso e deu entrevista ao lado do secretário de Segurança, Anthony Garotinho. "Ele subiu o meu muro pela caixa dos correios e chegou à casa dos Staheli descendo por uma goiabeira. Nem precisou usar o pé-de-cabra porque a porta da cozinha estava aberta. A casa deles tem dois andares e o primeiro quarto que se vê depois da escada é o do casal." Desde que foi preso, Santos apresentou três versões diferentes para o crime. Primeiro, confessou que fez tudo sozinho. Em seguida, disse que receberia R$ 40 mil para facilitar a entrada de dois homens. Mais uma vez voltou atrás e alegou ter recebido um cheque no valor de R$ 7 mil, que não conseguiu sacar, para deixar os assassinos entrarem.Para Luci, que é orientadora pedagógica, Santos contou histórias diferentes porque foi desacreditado. "Subestimaram ele. O Jossiel me disse: ?Eu contei a verdade (para a polícia no primeiro depoimento), mas não acreditaram, então, eu comecei a inventar outras histórias?." Ela não tem dúvida de que o caseiro deve ser submetido a um exame de sanidade mental.Luci também não acredita num dos pontos da primeira confissão de Santos, no qual ele alega ter cometido o crime porque fora chamado de "crioulo" por Todd. "Ele entrou com o intuito de roubar, mas deu tudo errado e foi embora (nada foi levado da casa). Essa foi mais uma história, uma motivo que ele arranjou. Era melhor ter agido por ter sido ofendido do que admitir que entrou para roubar."Digitais - O empresário Paulo Malta, marido de Luci, acompanhou a reconstituição de ontem, que durou duas horas, e justificou a ausência de digitais do acusado na casa dos americanos. "O Jossiel me disse que cobriu as mãos com sacos plásticos. Depois de bater em Todd e Michelle com o pé-de-cabra (que pertence a Malta), deixou o sangue escorrer perto da cama e o guardou em um dos plásticos." Segundo ele, as roupas do caseiro e a arma do crime foram lavadas com cloro. Sobre o sangue de três pessoas diferentes que a polícia disse ter detectado no pé-de-cabra em exame de DNA, Luci informou que a ferramenta já passou pelas mãos de muitas pessoas e cortes são inevitáveis. "Nós já fizemos muita obra nessa casa."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.