Caso Ivandel: filho espera laudo oficial sobre ossada

O filho do jornalista Ivandel Godinho Júnior, Hugo, disse que vai esperar o laudo oficial sobre o exame de DNA realizado na ossada encontrada no dia 31, no Capão Redondo, bairro da zona sul da capital, que seria de seu pai. Hugo disse ter levado um susto ao ler a reportagem de ontem publicada no Estado sobre a confirmação de que a ossada era a de seu pai. Porém, como o resultado do exame de DNA ainda não foi divulgado oficialmente pela polícia, o rapaz vai esperar o laudo oficial para comentar o assunto."O pessoal do Instituto de Criminalística disse que deve divulgar o resultado na terça ou na quarta. Caso seja positivo, vamos fazer outro exame para termos tranqüilidade", afirmou.O jornalista foi seqüestrado em 22 de outubro de 2003, na Avenida Brigadeiro Faria Lima. Os bandidos pediram R$ 5 milhões de resgate. Ivandel foi morto três dias depois, a coronhadas, supostamente após se desentender com um dos seqüestradores, e enterrado em um terreno baldio no Capão Redondo. Mas os criminosos continuaram tentando extorquir a família. No início de 2004, parentes de Ivandel chegaram a pagar R$ 50 mil de resgate.Em janeiro do ano passado, um adolescente apontado como participante do crime foi preso e apontou o local onde estaria a ossada do jornalista. Após exames, constatou-se que os ossos eram de um cachorro.A polícia chegou ao local onde foi encontrada a ossada verdadeira levada por Miguel José dos Santos Junior, o Juninho, que negociou o resgate do jornalista com a família. Juninho, que confessou o crime, trabalhou como motoboy na empresa de assessoria de imprensa de Ivandel.

Agencia Estado,

25 de junho de 2006 | 18h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.