EVARISTO SA / AFP
EVARISTO SA / AFP

Caso João de Deus: mulher diz ter sido abusada em Vitória

Em 1984, médium disse que teria de ficar sozinho no quarto com a adolescente

Vinícius Rangel, Especial para O Estado

15 de dezembro de 2018 | 03h00

Correções: 16/12/2018 | 16h05

Entre as várias denúncias que surgiram nos últimos dias contra o médium João Deus, houve relatos sobre supostos abusos que teriam ocorrido fora do centro Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia. É o que conta uma dona de casa do Espírito Santo, de 48 anos, que preferiu não se identificar.

O ano era 1984, e a então adolescente de 13 anos sofria com muitas dores nos rins. Ela e a mãe voltavam de uma consulta no bairro Vila Rubim em Vitória, quando viram um aglomerado de pessoas perto de um prédio. Lá estava o médium João de Deus, vendendo objetos religiosos. A compra dava direito a uma consulta espiritual. 

Mãe e filha foram ao encontro dele, em uma espécie de prédio de escritórios. A dona de casa conta que no espaço ainda existia um quarto. O médium esclareceu que teria de ficar sozinho no quarto com a adolescente. “Entrei na sala e ele me mandou sentar em uma cadeira. Depois ordenou que eu ficasse em pé e de costas para ele. Eu obedeci mais uma vez. Foi ai que ele começou a passar as mãos nos meus seios por trás e falava ‘Se entrega, se entrega’, e continuou a passar as mãos. Ele não parou e me pressionou. Foi quando eu gritei. E nunca mais me esqueci disso.”

A mãe da adolescente ouviu a filha gritar e imediatamente entrou no local. A vítima saiu correndo, desesperada. Somente depois a adolescente revelou o abuso sofrido. “Na época, minha mãe não registrou ocorrência. Estávamos muito envergonhadas”, disse.

Correções
16/12/2018 | 16h05

Ao contrário do informado anteriormente, a vítima tem 48 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.