Caso Staheli: especialistas estranham demora da polícia

Peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli coletaram hoje pedaços de unhas e fios de cabelo dos corpos do casal norte-americano Todd e Michelle Staheli, atacado, em casa, há dez dias. O material será submetido a exames que poderão ajudar a polícia a chegar ao autor (ou autores) do crime. Se forem encontrados vestígios de pele ou de pelos nas unhas, por exemplo, estes serão submetidos a exame de DNA. O resultado poderá ser comparado com amostras recolhidas de possíveis suspeitos. A polícia encontrou indícios de que Michelle tentou reagir à agressão ? ela tem equimoses (manchas provocadas por hemorragia) na mão direta, nas coxas e nas canelas. O corpo de Todd também tem sinais de reação: ele apresenta equimoses na mão direita.A análise dos cabelos poderá mostrar se são mesmo de Michelle os fios encontrados junto com sangue na parede que fica atrás da cama do casal. Testes poderiam mostrar ainda se as vítimas foram envenenadas antes de ser agredidas, já que a substância seria detectada nos cabelos. Especialistas ouvidos pelo Estado estranharam o fato de a perícia ter demorado a coletar pedaços de unha e fios de cabelo de Todd e Michelle.Ele morreu no dia 30 de novembro, mesmo dia do ataque, e ela, quatro dias depois. A demora seria uma falha da perícia e um indicativo de que o trabalho está sendo mal conduzido. Os peritos passaram meia hora na Santa Casa de Inhaúma, onde foi feito o embalsamento. Os dois corpos já estão prontos para ser transportados para os Estados Unidos, onde serão enterrados. A Shell, empresa onde Todd trabalhava como gerente da área de Gás e Energia para a América Latina e o Brasil, informou que ainda não há data prevista para o traslado. Os pais de Todd e dois irmãos de Michelle, que estão no Rio há uma semana para ficar com os quatro filhos deles, voltarão para Utah levando os caixões. Eles ainda decidirão quando será a viagem. A Shell informou que eles irão num avião de carreira. A dúvida quanto à data se deve ao fato de os filhos mais velhos dos Staheli, de 13 e 10 anos, terem sido chamados para a reconstituição do crime, marcada para quarta-feira de manhã. A reprodução do crime na casa seria uma reconstituição sem os autores, uma vez que ainda não há uma lista oficial de suspeitos.O advogado da família, João Mestieri, já disse que não permitirá a participação das crianças. Mestieri acredita que seria ?um sacrifício desnecessário? para os dois. Procurado pelo Estado hoje, o advogado não foi encontrado para falar sobre o assunto. Ele prometeu dar entrevista amanhã.Desde o duplo assassinato, os filhos dos Staheli estão sendo preservados. Primeiro, eles ficaram com o casal Jeff e Carolyn Turner, mórmons como seus pais e moradores de um condomínio vizinho ao deles, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Foram eles que, depois de receber ligação de W., de 13 anos, a mais velha, chamaram a polícia. Depois da chegada dos quatro parentes, as crianças passaram a ser cuidadas por eles.Hoje, o presidente da estaca (grupo de alas) Jacarepaguá da Igreja de Jesus Cristo dos Santos Últimos Dias, Paulo Carvalho, disse que as crianças ? que, junto com os pais, freqüentavam a estaca Barra da Tijuca ?, estão ?isoladas?. ?Nós não temos contato, mas estamos rezando e fazendo jejum em solidariedade a eles?, afirmou Carvalho.Para ler mais sobre o crime na Barra da Tijuca: » Polícia do Rio vai refazer perícia na casa dos Staheli » Parentes querem adiar reconstituição do crime dos Staheli » FBI manda investigadores para acompanhar casa Stahelli » Corpo de Michelle Staheli já foi encaminhado para necropsia » Polícia ainda não solicitou sangue de mulher de executivo » Morre Michelle Staheli, a mulher do executivo » Filhos do casal terão que prestar depoimento » Depoimento da filha mais velha tem contradições, diz secretário » Morte cerebral de Michelle Staheli é ?questão de tempo? » Situação de Michelle Staheli é ?extrema?, diz boletim » Polícia quer impedir que filha de executivo deixe o País » Mercado não acredita em ameaças ao executivo americano » Estado da mulher do executivo choca os parentes » Parentes do casal americano chegam ao Rio » Empresário americano podia estar sendo ameaçado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.