Caso Staheli: técnico de futebol desmonta tese da polícia

Amigo de Todd e Michelle Staheli e um dos primeiros a chegar à casa deles no dia do crime, o técnico de futebol Tita contou hoje que, ao socorrer a americana, bombeiros deixaram marcas de sangue numa das paredes do quarto e no portal, acidentalmente. Segundo especialistas, a revelação pode mudar as convicções da perícia, que até agora via os vestígios como indícios de que ela reagiu ao ataque. Chamado à residência pelo motorista da família, Sebastião Moura, Tita ajudou a retirar Michelle do quarto. ?Quando tiramos (elee bombeiros) o corpo da Michelle para levar ao hospital, ela raspou a cabeça na parede, no momento em que a colocamos namaca. Aí ficou a marca de sangue com cabelo. A perícia achava que ela tinha lutado com alguém naquele momento, mas não foi?, relatou Tita, em entrevista à TV Globo.O ex-jogador de futebol, que é treinador do clube Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, relatou ainda que o sangue de Michellesujou também o portal do quarto. ?Nós estávamos no segundo andar para descer para o primeiro e, na hora de passar com amaca pelo corredor, não cabia. A maca bateu no portal e estava com sangue. Eles (peritos) acham que quem cometeu o crimeesbarrou ali.? Mórmom como os Staheli, Tita conhecia Todd, Michelle, seus quatro filhos e também o motorista Moura dasreuniões dominicais da seção Itanhangá da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Quando chegou ao quarto do casal, ele viu os dois corpos na cama, ensangüentados. ?Cheguei e já estavam os seguranças eos corpos na cama. Michelle estava com dificuldade para respirar, agonizando. Saí dali correndo para ver se encontrava alguma polícia, alguma ambulância que pudesse imediatamente socorrê-la?, disse. Todd morreria horas depois de encontrado. Michelle ficou internada por quatro dias, mas não resistiu.Embora seu relato seja importante para a polícia, Tita ainda não foi ouvido formalmente. A mulher dele, Sandra Queiroz, disseque ele só foi convocado pela polícia hoje. O delegado da Barra, Marcus Henrique Alves, afirmou que, apesar do relato doex-jogador, ele continua acreditando que a americana tenha reagido ao agressor, já que há outras pistas nesse sentido ? o corpo dela apresentava equimoses (manchas provocadas por hemorragia) na mão direita, nas duas coxas e nas canelas. O de Todd também: ele tinha equimoses na mão direita.Ex-diretor do Instituto de Criminalística Carlos Éboli e um defensor da preservação do local do crime, o perito Mauro Ricart já havia dito, em entrevista ao Estado, que as manchas de sangue atrás da cama do casal pareciam ter sido provocadas por umesbarrão. Ele acredita que as revelações de Tita são muito relevantes. ?Quando o local do crime é desfeito, os peritos podem acabar tirando conclusões erradas. As novas revelações podem mudar a dinâmica do crime?, afirmou Ricart.A Secretaria de Segurança Pública informou ontem que a análise com luminol mostrou que a enxada encontrada na residência e a foice retirada da casa de ferramentas do condomínio não tinham vestígios de sangue. O coordenador de Polícia Técnica, Roger Ancillotti, que até hoje vinha passando informações sobre a perícia, disse que não poderá mais dar qualquer declaração, seguindo ordem dada pelo secretário Anthony Garotinho na quarta-feira à noite. Garotinho quer sigilo total sobre as investigações.Para ler mais sobre o crime na Barra da Tijuca: » Filhos do casal Staheli já embarcaram para os EUA » Filha dos Staheli já pode ser liberada para voltar aos EUA » Garotinho diz que investigação no caso Staheli é perfeita » Corpos do casal Staheli seguem para aeroporto » Termina reconstituição; Exame em enxada dá negativo » Enxada encontrada na casa dos Staheli será periciada » Acumulam-se erros na investigação da morte dos Stahelis » Garotinho no centro da polêmica sobre os filhos de Staheli » Advogado dos Stahelis sugere que criminoso é estrangeiro » Caso Staheli: especialistas estranham demora da polícia » Polícia do Rio vai refazer perícia na casa dos Staheli » Parentes querem adiar reconstituição do crime dos Staheli » FBI manda investigadores para acompanhar casa Stahelli » Corpo de Michelle Staheli já foi encaminhado para necropsia » Polícia ainda não solicitou sangue de mulher de executivo » Morre Michelle Staheli, a mulher do executivo » Filhos do casal terão que prestar depoimento » Depoimento da filha mais velha tem contradições, diz secretário » Morte cerebral de Michelle Staheli é ?questão de tempo? » Situação de Michelle Staheli é ?extrema?, diz boletim » Polícia quer impedir que filha de executivo deixe o País » Mercado não acredita em ameaças ao executivo americano » Estado da mulher do executivo choca os parentes » Parentes do casal americano chegam ao Rio » Empresário americano podia estar sendo ameaçado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.