Casos de dengue em São Sebastião crescem 40%

Em uma semana, os casos de dengue em São Sebastião, no Litoral Norte, subiram de 233 para 327. Segundo a secretária de saúde do município, Cláudia Batocchio Fauzino, desde janeiro, 636 pessoas apresentaram os sintomas da dengue. "Destes, 67 casos foram descartados e 242 ainda estão sendo analisados". A secretária explicou que o aumento já era previsto, já que o Laboratório Adolfo Lutz, em São Paulo, estava atrasando no envio dos resultados e resolveu enviar os exames de uma só vez. "O aumento foi por causa destes exames que já eram para ter sido entregues" afirmou Fauzino. Segundo ela, a secretaria considera os casos suspeitos, já que não se pode ter o resultado imediato. "Trabalhamos com todos iguais, que passam pelos mesmos procedimentos". A cidade vive uma epidemia de dengue desde março de 2001. No ano passado foram registrados 445 casos. Os bairros mais atingidos pela doença são Topolância e Itatinga, periferia da cidade, onde se concentram 162 pessoas infectadas. "O problema lá é a educação e a falta de conscientização", argumenta a secretária. Todos os dias, equipes da Sucen passam pelas casas pedindo que os moradores não armazenem água em baldes e bacias. Mas o bairro é desprovido de saneamento básico, o que força a população a guardar água em recipientes sem tampas. Depois destes dois bairros, o centro também apresenta uma concentração de pessoas com dengue, com 62 casos. Em Caraguatatuba, próximo a São Sebastião, o número de casos também subiram de 11 para 18, mas ainda é pouco com relação a São Sebastião. As ações em combate à dengue continuam em todo o Vale do Paraíba. Em Aparecida, a prefeitura realizou um mutirão nos últimos dois dias e recolheu duas toneladas de lixo de cerca de duas mil casas. "Foi um trabalho de conscientização entre a população"; disse a chefe da Sucen, América Tannus Dias. A cidade tem hoje 16 casos suspeitos e 3 confirmados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.