Catedral faz 100 anos e ganha obras de R$ 1 mi

Templo tem projeto de Maximiliano Hell, mesmo autor da Sé de SP

Rejane Lima, O Estadao de S.Paulo

13 de junho de 2009 | 00h00

As estações da via sacra são de 1925; as três telas do pintor Benedito Calixto chegaram dois anos depois; os majestosos lustres de cristal foram instalados em 1955 e a igreja neogótica concluída em 1964. A matriz que se tornou Catedral de Santos em 1924, com a criação da Diocese, no entanto, comemora o primeiro centenário amanhã. Com projetos de reforma."Na verdade não terminamos a igreja toda até hoje, pois precisamos reconstruir a parte do centro comunitário, uma obra rápida, feita em outro estilo", conta o pároco José Myalil Paul. Indiano, há 9 anos o padre está à frente da Paróquia Nossa Senhora do Rosário Aparecida, a mais antiga da cidade, criada em 1545, cuja sede é a catedral.Localizada no centro de Santos, a igreja ocupa uma área de 2.510 metros quadrados na Praça José Bonifácio, entre os prédios do Fórum e do Teatro Coliseu. Seu projeto é de Maximiliano Hell, o mesmo engenheiro da Catedral da Sé, em São Paulo, o que explica a semelhança entre os dois templos.É a única igreja do município com cripta - túmulos de sacerdotes de Santos e dos bispos Dom Idílio José Soares e Dom David Picão, morto em abril.Aparentemente bem conservada, a matriz passa por manutenção constante, explica o pároco. Até o fim do ano, deverá começar uma obra que custará R$ 1 milhão. A ideia é restaurar toda a parte elétrica, a cúpula e o telhado, além de nova pintura. "Essa reforma vai durar pelo menos dois anos, pois temos de parar tudo as sábados e domingos por causa dos casamentos e das missas", afirma o padre.MISSAEnquanto a reforma não começa, santistas e turistas podem apreciar, sem andaimes ou telas, as imagens em granito na fachada, as três naves, duas capelas laterais e dezenas de belas imagens sacras. Uma boa oportunidade é o próximo domingo, quando acontece uma missa campal em homenagem ao centenário. Comemorado em 24 de junho, o aniversário foi antecipado por causa do encontro sacerdotal que acontece em São Paulo, no próximo dia 21.Depois da celebração comandada pelo bispo Dom Jacyr Francisco Braido haverá a distribuição de um bolo de 100 metros e refrigerantes, custeados pela prefeitura. São esperadas cinco mil pessoas no evento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.