Alessandra Tarantino/AP
Alessandra Tarantino/AP

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Católicos não devem se reproduzir 'como coelhos', afirma papa

Francisco diz que proibição de contraceptivos não significa que fiéis devam ter vários filhos; pontífice visitará Bolívia, Equador e Paraguai

O Estado de S. Paulo

20 de janeiro de 2015 | 15h10

VATICANO - Os católicos não deveriam sentir que devem se reproduzir "como coelhos" por causa da proibição da Igreja Católica a métodos contraceptivos, disse nesta segunda-feira, 19, o papa Francisco, sugerindo formas naturais de planejamento familiar. 

Francisco usou a linguagem direta durante uma entrevista coletiva de uma hora a bordo do avião que levou o pontífice de Manila a Roma no fim de sua viagem de uma semana pela Ásia. 

As despreocupadas declarações se tornaram uma características do estilo simples do papa, que tende a ser direto e se sente mais à vontade ao usar expressões coloquiais para ilustrar seus pontos de vista. 

Francisco falou sobre controle de natalidade e população, temas que foram levantados nas Filipinas, onde a igreja local se opõe a uma lei do governo que torna os contraceptivos mais acessíveis. 

"Alguns pensam, desculpem se uso a palavra, que para ser bons católicos temos que ser como coelhos, mas não", disse o papa, acrescentando que a Igreja promovia a "paternidade responsável". 

Ele contou sobre o caso de uma mulher que conheceu recentemente que havia dado à luz sete bebês por cesariana e que colocou sua vida em risco ao engravidar de novo. O papa disse que chamou a atenção dela por "tentar a Deus". "Isso é uma irresponsabilidade", acrescentou. 

O líder da Igreja Católica, com 1,2 bilhão de fiéis, reafirmou a proibição aos métodos contraceptivos artificiais e acrescentou que existiam "muitas vias permitidas" de planejamento familiar natural. 

A Igreja aprova apenas os métodos naturais de contracepção, principalmente a abstinência do sexo durante o período fértil da mulher. 

Visita à América do Sul. O papa anunciou também que planeja visitar Bolívia, Paraguai e Equador em 2015. O presidente boliviano, Evo Morales, disse mais cedo em uma entrevista coletiva que o papa havia anunciado, de forma não oficial, sua visita aos três países latino-americanos em meados deste ano. Francisco anunciou também planos de visitar Uganda e República Centro-Africana. 

Segundo uma entrevista ao jornal La Razón, Morales revelou que sugeriu a Francisco, de 78 anos, que chegasse à Bolívia por Santa Cruz por razões de saúde. Contudo, o pontífice argentino disse que tem interesse em visitar La Paz. 

"Ele (Francisco) me disse: 'Quero visitar La Paz, quero visitar La Paz', me repetiu duas ou três vezes", disse Morales. 

O presidente afirmou que ainda não sabe quantos dias o pontífice permanecerá na Bolívia. 

"Vamos preparar (o recebimento) com a Igreja Católica, com os movimentos sociais, porque o papa quer conversar com movimentos sociais, em especial com os indígenas", afirmou Morales, segundo o La Razón

A presença do papa Francisco na Bolívia ocorrerá 27 anos após a ida do papa João Paulo 2º ao país sul-americano, em 1988./REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.