'Caubóis' em busca do voto rural

Presidenciáveis encaram calor e desfilam por um dos principais eventos agropecuários do País

Flávia Tavares, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2010 | 00h00

ENVIADA ESPECIAL

RIBEIRÃO PRETO

Debaixo de sol muito forte, Dilma Rousseff chegou à Agrishow, por volta das 11h30, acompanhada de Aloizio Mercadante, Marta Suplicy e Antonio Palocci, em uma van escoltada por outros dez carros, pela entrada dos fundos. A comitiva da pré-candidata petista à Presidência deveria seguir diretamente para o encontro com os organizadores da feira de tecnologia agrícola, mas ela não resistiu à tentação de experimentar um corpo a corpo com visitantes e expositores do evento. Foi logo subindo em um trator e posando para fotos com um chapéu de caubói, emprestado de um entusiasta de sua candidatura.

Assediada, Dilma ainda não demonstrou o traquejo que seu mentor normalmente esbanja. O tom das conversas que tinha com quem a abordava era mais o de apresentações, como se ela estivesse sendo introduzida em um ambiente novo. "Ministra, a senhora não sabe, mas tem meu apoio. Eu te amo", gritava a "diarista com orgulho" Marluce Carneiro. Os representantes dos maiores estandes de maquinário agrícola faziam questão de lhe mostrar as novidades em tratores e colheitadeiras. "Não posa nesse, que é tucano", brincou Mercadante quando Dilma montava em uma máquina azul.

Na coletiva de imprensa, indagada sobre as críticas de seus correligionários e a suposta crise pela qual passa sua pré-campanha, Dilma ameaçou fechar a cara, mas respondeu diplomaticamente: "Críticas são normais." Ela voltou a falar duramente das invasões promovidas pelo MST e foi aplaudida quando declarou que "a ilegalidade não pode ser premiada".

Tucanos. Pouco mais de duas horas depois, José Serra chegou à feira, pela porta da frente, com Geraldo Alckmin a tiracolo. Sua comitiva era menor ? até porque o PSDB ainda não definiu o nome do candidato ao Senado ?, e o número de seguranças, maior. A visita dos dois presidenciáveis no mesmo dia não estava prevista. Os assessores de Serra haviam marcado sua presença primeiro, mas a equipe de Dilma "atravessou". O tucano pensou em adiar sua aparição para hoje, mas voltou atrás, para marcar posição. A recepção ao ex-governador foi mais calorosa: militantes da juventude tucana e simpatizantes urravam "Serra presidente", sem cerimônias.

O passeio do ex-governador pelos estandes teve um ar de reencontro com velhos amigos. O interior do Estado é uma região de forte apoio aos tucanos e os efusivos abraços que os empresários do setor deram em Serra e Alckmin provaram isso. O tour tucano pela feira foi mais rápido, embora Serra também não tenha resistido ao apelo de vestir um chapéu e subir num trator. E exaltou, como Dilma havia feito antes, a importância do agronegócio para a economia brasileira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.