CCJ aprova pena maior para bêbado ao volante

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou ontem um projeto que aumenta em um terço a pena para quem, em um acidente de trânsito, matar de forma involuntária por estar embriagado ou sob efeito de drogas. O texto altera o Código Penal, acrescentando agravantes. O projeto, de autoria do deputado Alexandre Silveira (PPS-MG), precisa ser apreciado pelo plenário, antes de ir para o Senado. No projeto, o deputado argumenta que os acidentes de trânsito com morte são tipificados como homicídio culposo e não prevê agravante pela ingestão de bebida alcoólica ou uso de drogas, considerados agentes de desestabilização do motorista. "O projeto atende ao clamor da sociedade brasileira, alarmada com milhares de vidas que são ceifadas pela irresponsabilidade de alguns motoristas, que pela brandura da pena (de 1 a 3 anos) acabam saindo impunes pela imprudência de seus atos, pois, normalmente, a pena fica próxima ao mínimo legal", ressaltou.No projeto, o deputado ressalta que o álcool provoca alterações na coordenação motora e na capacidade de raciocínio. A aprovação foi por votação simbólica. ACIDENTESUm microônibus que levava pacientes de Angatuba, a 210 quilômetros de São Paulo, para hospitais da capital saiu da pista e tombou no km 113 da Rodovia Raposo Tavares, em Araçoiaba da Serra, na manhã de ontem. Quatro pessoas, entre elas uma criança de 4 anos, morreram. Outros 18 passageiros se feriram - muitos ficaram presos nas ferragens. Segundo a Polícia Militar Rodoviária, chovia e ventava muito no momento em que aconteceu o acidente. O motorista Edil de Souza Leite alegou que um dos limpadores do pára-brisas estava com defeito e perdeu a visibilidade. O passageiro Maurício Moreira de Souza, que perdeu o pai no acidente, ajudou a socorrer os feridos. A pista ficou interditada no sentido capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.