REUTERS/Gonzalo Fuentes
REUTERS/Gonzalo Fuentes

CCJ do Senado aprova união estável entre pessoas do mesmo sexo

Com o projeto, o Código Civil será alterado para estabelecer como família 'a união estável entre duas pessoas' e não mais 'entre o homem e a mulher'

Julia Lindner, O Estado de S. Paulo

08 de março de 2017 | 15h43

BRASÍLIA - A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou por unanimidade o projeto de lei que altera o Código Civil para reconhecer a união estável entre pessoas do mesmo gênero. O texto apresentado pela senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) foi aprovado na forma de substitutivo do senador Roberto Requião (PMDB-PR), relator da proposta na CCJ, e ainda terá de ser votado em turno suplementar no colegiado na próxima semana. Caso não haja recurso, a matéria segue para a Câmara dos Deputados. 

Atualmente, o Código Civil reconhece como entidade familiar "a união estável entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família". Com o projeto, a lei será alterada para estabelecer como família "a união estável entre duas pessoas", mantendo o restante do texto do artigo. O texto determina ainda que a união estável "poderá converter-se em casamento, mediante requerimento formulado dos companheiros ao oficial do Registro Civil".

Marta comemorou a aprovação unânime do projeto, que classificou como um "enorme avanço no processo civilizatório", mas avaliou que o texto enfrentará dificuldades na Câmara. "Não vejo nenhum problema para ser aprovado (no Senado). Na Câmara, a situação é diferente. Lá, os grupos organizados mais conservadores têm uma participação muito forte (...) Mas hoje é dia de comemorar, porque travei desde 1995 essa batalha e hoje percebo que está muito mais tranquilo. Esse assunto não é mais um tabu", afirmou.

Embora o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) já reconheçam o direito à formalização da união entre casais homossexuais, Marta considera a aprovação do projeto de lei no Legislativo extremamente importante pela sua "simbologia". "Uma coisa é você ter uma aprovação pelo STF, outra é ter um projeto de lei que muda completamente, porque mexe no Código Civil", disse. O projeto tem o objetivo de conferir segurança jurídica à matéria.

A aprovação da proposta foi parte do esforço das senadoras que integram a comissão para votação de matérias em favor das mulheres e da igualdade de gênero, no âmbito de um conjunto de ações empreendidas pela bancada feminina no Senado pelo Dia Internacional da Mulher.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.