CCJ do Senado adia votação sobre unificação das polícias

No mesmo dia em que aprovou a criação do Fundo de Combate à Violência, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado adiou duas votações. Nesta quarta-feira, 14, a comissão adiou, para a próxima semana, a votação das propostas sobre unificação das polícias e da repressão ao crime organizado. A medida para tornar inconstitucional a separação entre as polícias Civil, Militar, Federal e Rodoviária, foi proposta pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). O relator da Proposta de Emenda Constitucional (PEC), senador Romeu Tuma (PFL-SP), afirmou que é contra a medida pois entende que cabe aos secretários de Segurança Pública comandar, da forma que entender melhor, as polícias dos Estados.Jereissatti, porém, alega que, quando governou o Estado do Ceará, tentou unificar as polícias, mas foi impedido pelas regras constitucionais. Segundo o senador, da forma como estão hoje, "as polícias são rivais, não se entendem e chegam até a boicotar o trabalho uma da outra."Crime organizadoA comissão também fez um pedido de vista coletivo do projeto que trata da repressão ao crime organizado, adiando para a próxima semana a votação da proposta. O pedido foi encabeçado pelo senador Demóstenes Torres (PFL-GO).A proposta, apresentada pelo senador Aloizio Mercadante (PT-SP), reúne projetos de iniciativa de vários senadores. Na avaliação de Demóstenes e do líder do PDT, senador Jefferson Péres (MA), há alguns itens no texto que precisam ser modificados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.