CDHU fará campanha para reduzir inadimplência

A Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) do Estado de São Paulo lançará, em outubro, campanha para reduzir a inadimplência de seus mutuários. Atualmente, o problema atinge cerca de 90 mil dos 200 mil mutuários da estatal paulista."A idéia é baixar esse percentual para 8% ou 12% da carteira", disse o diretor presidente da CDHU, Luiz Antonio Carvalho Pacheco. Na companhia, considera-se inadimplente o mutuário que está há pelo menos três meses sem pagar suas prestações. Pacheco afirmou que há casos mais graves, em que o atraso ultrapassa vários anos.Para obter a redução desejada, a CDHU reverá todos os casos individualmente, estabelecendo planos adequados às condições do devedor. Não estão descartados o alongamento do prazo de pagamento ou a renegociação do valor da prestação.A menor mensalidade cobrada pela companhia é de R$ 27, equivalente a 15% do salário mínimo. "Se a pessoa puder pagar apenas isso, vamos analisar", disse. O mais importante, conforme Pacheco, é reestabelecer o compromisso do mutuário em honrar sua dívida.FlexibilidadeO presidente da companhia informou que o medo de perder o imóvel ou ser preso por dívidas são dois dos principais obstáculos para a renegociação dos atrasos. Muitos mutuários não comparecem à CDHU para discutir sua situação, mesmo mediante convocação oficial, porque temem represálias. Pacheco afirmou que isso se deve à desinformação. "Temos alternativas extremamente flexíveis para negociar as dívidas", disse. A retomada do imóvel, segundo o executivo, só ocorre em último caso. "Isso não aconteceria se as pessoas nos procurassem antes", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.