LabSis-UFRN/ Divulgação
LabSis-UFRN/ Divulgação

Ceará registra uma série de mais de 100 tremores de terra

O maior tremor foi de três graus verificado em 30 de março; o segundo maior de magnitude, com 2,5 graus, ocorreu nesta quarta-feira. Defesa Civil do Ceará registrou casas rachadas, e moradores relataram que móveis balançaram

Lauriberto Braga, Especial para O Estado

24 de julho de 2019 | 15h53

FORTALEZA - A atividade sísmica nas cidades cearenses de Madalena, Boa Viagem e Quixeramobim foi intensificada na madrugada desta quarta-feira, 24. Segundo o Laboratório Sismológico do Nordeste (LabSis) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), foram anotados mais de 100 tremores. O de maior magnitude aconteceu em Boa Viagem -- de 2.5 graus na escala Richter, que vai a 10 graus. 

A Defesa Civil do Ceará registrou casas rachadas, e moradores relataram que móveis balançaram. O clima é de tensão na região do sertão central do Ceará. Segundo os pesquisadores a falha geológica existe no oceano Atlântico entre Brasil e África.

Francisco Brandão, responsável pelo setor de Sismologia da Defesa Civil do Ceará, informou que o órgão vem realizando trabalhos de prevenção e orientação junto à comunidade sobre como se comportar antes, durante e depois dos terremotos.

O pesquisador do LabSis Eduardo Menezes afirmou que a região de Quixeramobim vem apresentando tremores desde o começo do ano, mas os abalos tinham diminuído. "A frequência voltou nesta quarta. Até às 7h da manhã, foram 102 tremores, sendo que na sua maioria são de baixa intensidade", revelou.

"É impossível prever como essa atividade sísmica vai progredir, podendo parar de repente, se manter no nível de magnitude atual ou mesmo recrudescer. Pode haver sismos de magnitude maior que os até agora observados. Só o tempo dirá qual das hipóteses é a verdadeira", disse.

Com os terremotos desta quarta-feira, já são mais de 500 abalos entre Quixeramobim, Madalena e Boa Viagem somente neste ano. O maior tremor foi de três graus verificado em 30 de março. O terremoto de 2.5 graus ocorreu nesta quarta-feira às 2h46, e o segundo maior de magnitude, de dois graus, foi registrado às 2h10.

O Nordeste está em cima de placas tectônicas que tem desenvolvido somente este ano mais de 3 mil terremotos no Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco e Piaui. Só no Ceará são 2,3 mil tremores que variam de menos um a três graus principalmente entre as cidades de Quixeramobim, Madalena e Boa Viagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.