Celular explode enquanto carregava

Motorola envia aparelho para perícia; bateria é original, diz dona

Ana Carolina Moreno, O Estadao de S.Paulo

07 Setembro 2020 | 00h00

Ana Cristina Harumi Oda completa 27 anos hoje. Ganhou um celular, contra a vontade dela. A hoteleira de São Paulo tomou um susto anteontem de manhã quando um ''''estouro'''' chamou a atenção dela e das colegas de trabalho. ''''Quando olhei para trás vi meu celular pegando fogo'''', diz a dona, há dois anos, de um aparelho V3 da Motorola. O celular estava carregando havia 45 minutos a 1 metro dela, na única tomada que também recarrega os aparelhos dos outros funcionários da sala. ''''Ele simplesmente explodiu'''', conta Cristina, que garante que, apesar de a bateria não ser mais a de fábrica, está dentro da validade, é original e nunca é recarregada por mais de três meses. ''''Ele estava em condições ótimas, eu nunca esperava isso.'''' No mesmo dia, ela contatou a empresa e recebeu um novo aparelho V3, preto, para usar enquanto o seu passava por perícia. Segundo a Assessoria de Imprensa da Motorola, o aparelho passará por perícia para definir se as causas do acidentes envolveram defeito no produto, uso inadequado ou irregularidades na instalação elétrica. Em 2004, seis aparelhos da Motorola foram danificados em acidentes parecidos. Cinco casos foram no interior paulista, e um, em Brasília. Segundo a Motorola, em três casos, houve uso incorreto, sobrecarga da rede e bateria falsificada. Em um, a causa não pode ser definida. Baterias e carregadores passarão por testes específicos de segurança e qualidade, segundo Resolução nº 481 da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que aprova a Norma para a Certificação e Homologação de Baterias de Lítio e Carregadores Utilizados em Telefones Celulares. ''''Antes só eram testadas as funcionalidades do celular, a bateria não. Agora serão testadas as baterias e seu funcionamento sob condições adversas'''', disse o Superintendente de Radiofreqüência e Fiscalização da Anatel, Edilson Ribeiro dos Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.